Alckmin e Doria publicam vídeos nas redes sociais sobre momento atual na política

Tucanos não citaram Aécio Neves, nem o presidente Michel Temer; prefeito defende reformas e governador fala que 'brasileiros anseiam retomada do crescimento'

Bibiana Borba e Elisa Clavery, O Estado de S.Paulo

19 Maio 2017 | 10h50

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), publicaram em suas redes sociais vídeos em que comentam a situação política do País. Sem citar o senador tucano Aécio Neves, citado nas delações do empresário da JBS Joesley Batista e afastado da presidência nacional da sigla, Alckmin e Doria falam em "serenidade" para encarar o momento. O presidente Michel Temer também não é diretamente citado pelos tucanos nos vídeos.

"Os fatos revelados hoje são muito graves", afirmou Doria. "Temos todos que ter serenidade para que as medidas que visam devolver o País para o rumo do crescimento não sejam paralisadas", defendeu o prefeito, que aproveitou para elogiar as reformas do governo. 

"As reformas em andamento apontam para um cenário econômico mais confiável. São fundamentais para gerar crescimento e emprego", afirmou Doria, antes de voltar a falar em "serenidade". "Mais do que nunca é hora de manter o equilíbrio e a serenidade e de proteger e defender o Brasil", disse.

Já o governador Geraldo Alckmin, que publicou o vídeo poucas horas depois do prefeito, começou dizendo que queria "transmitir uma palavras de confiança". 

"O Brasil já viveu outras situações difíceis e soube superá-las com serenidade e responsabilidade. Sempre de forma pacifica e dentro da legalidade", afirmou. O tucano defendeu que "os fatos sejam apurados com rigor" e disse que "qualquer solução fora da Constituição não seria solução e, sim, um problema."

Sem falar diretamente em reformas governistas, Alckmin disse que "os brasileiros anseiam pela retomada do crescimento". "Catorze milhões de famílias que perderam seus empregos dependem disso para alimentar sua esperança".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.