Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Alckmin critica quem 'desvirtua' e quer 'jogar a política fora'

Citado nas delações da Odebrecht, governador de SP afirmou ter vida modesta e objetivo de servir à população

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

28 Abril 2017 | 15h01

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), fez nesta sexta-feira, 28, uma defesa de sua vida pública e criticou aqueles que "desvirtuam" a políticia e querem "jogar a política fora". Um dos alvos das delações da Odebrecht por supostamente ter usado dinheiro ilícito nas campanhas a governador de 2010 e 2014, Alckmin afirmou que tem uma vida modesta e que, mesmo "às vezes" errando, seu objetivo é servir a população.

Alckmin participou da cerimônia de encerramento do Congresso Estadual dos Municípios, em Campos do Jordão, no Vale do Paraíba. Após relembrar sua carreira como vereador, prefeito, deputado e governador, o tucano disse que seu papel sempre foi servir ao interesse coletivo. "Às vezes a gente erra, às vezes a gente não faz o melhor, mas a nossa tarefa é servir a nossa população", disse o governador. Ele afirmou ainda que atualmente há um "desvirtuamento" porque pessoas querem "jogar a política fora".

Ao enfatizar que tem uma "vida modesta", o tucano disse que ouviu de um governador que a Assembleia Legislativa de determinado Estado era toda representada por corporações e empresas. "Não tenho rádio, não tenho televisão, não tenho empresa. É interesse público. Aliás, foi meu professor Mário Covas [ex-governador de SP], que foi defensor do interesse coletivo, das pessoas anônimas, de trabalhar para aquele que mais precisa', declarou.

As declarações foram feitas durante o discurso de encerramento do congresso, que reuniu prefeitos e outros políticos em Campos do Jordão. No evento, Alckmin foi defendido publicamente por aliados políticos e até pelo presidente do Tribunal de Justiça do Estado, Paulo Dimas. Também foi saudado por alguns como candidato a presidente da República em 2018.

Fazendo relação com uma história bíblica, Alckmin disse que é preciso ter esperança para chegar à Terra Prometida e superar as dificuldades que o País enfrenta. "É nosso dever suarmos a camisa, enfrentar as dificuldades para que o País possa retomar o rumo do crescimento, do emprego e da renda. Ao trabalho", conclamou ao fim do discurso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.