1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Alckmin congela R$ 6,9 bilhões do orçamento do Estado em 2016

- Atualizado: 16 Janeiro 2016 | 06h 32

Bloqueio vai impactar investimentos do Estado, afirma secretário

O governo Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou nesta sexta-feira o congelamento de R$ 6,9 bilhões d0 Orçamento referente ao ano de 2016. A decisão de bloquear os recursos foi motivada pela crise econômica que afeta o País e também pela queda de arrecadação de impostos. O congelamento corresponde a 3,3% do total previsto na peça orçamentária deste ano, cujo valor é de R$ 207,4 bilhões. As informações sobre o congelamento foram divulgadas pelo jornal Folha de S. Paulo e publicadas no Diário Oficial.

O valor congelado anunciado pelo governo paulista neste ano é um pouco maior do que o contingenciamento anunciado no ano passado, cujo montante era de R$ 6,6 bilhões.

O secretário de Planejamento, Marcos Monteiro, disse ao Estado que o congelamento também vai atingir os investimentos do governo estadual – a previsão, segundo ele, é que o bloqueio seja da ordem de R$ 1,99 bilhão. No ano passado, o governo Geraldo Alckmin contingenciou R$ 1,88 bilhão na área de investimentos.

Congelamento corresponde a 3,3% do total previsto na peça orçamentária deste ano
Congelamento corresponde a 3,3% do total previsto na peça orçamentária deste ano

Arrecadação. Monteiro disse que 2015 foi um ano “horroroso” para o governo em termos de arrecadação de impostos. Ele afirmou que houve uma queda de R$ 6,8 bilhões no recolhimento dos tributos. Para 2016, Monteiro informou que a previsão ainda é de queda – de acordo com o secretário, de cerca de R$ 4,3 bilhões.

"Foi horroroso (2015). Como foi no País inteiro", disse. Monteiro afirmou que 72% do que o Estado recebe é pelo recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

O governo também vai realizar o congelamento de 25% em custeios de quase todas as secretarias da administração, exceto das de Educação, Segurança Pública e Desenvolvimento Social, nas quais a suspensão será de 10%. Esse mesmo índice será utilizado para o congelamento do montante destinado às universidades estaduais (USP, Unicamp e Unesp), à Fundação Casa e à Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX