Alckmin cita santo em recado a Doria: 'se não puder falar bem, não diga nada'

Governador de São Paulo expõe clima que se instalou no PSDB após disputa interna pela Presidência

Elisabeth Lopes e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2017 | 09h46

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), expôs nesta terça-feira, 5, em entrevista à Rádio Bandeirantes, o clima que se instalou nos bastidores de seu partido com relação à disputa interna que tem travado com o prefeito da Capital, João Doria, seu correligionário e afilhado político, em torno da indicação do nome que disputará, nas eleições gerais do ano que vem, a Presidência da República.

Indagado sobre Doria, ele lembrou de seu pai citando uma frase de Santo Antônio de Pádua: "Se não puder falar bem, não diga nada."

Questionado sobre proposta citada por Doria de usar pesquisas de intenção de voto, como preferência na escolha do candidato a presidente em 2018, Alckmin defendeu novamente realização prévias e disse que "a democracia começa dentro de casa".

Após citar as primárias norte-americanas, Alckmin lembrou que foi o responsável pela realização das prévias tucanas em 2016 que definiram Doria como o candidato do partido para disputar a prefeitura de São Paulo. "Se não tivesse prévia, Doria não teria sido o escolhido."

Quando questionado sobre possíveis nomes do PSDB em uma eventual prévia, o governador descartou o nome de Aécio Neves (PSDB-MG), mas afirmou que o também senador José Serra (PSDB-SP) disse "a companheiros comuns" que avalia disputar a Presidência. Segundo o governador, se houver mais um candidato, o partido terá que "abrir escuta".

O governador embarca nesta terça para Brasília, onde se reunirá com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.