1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Aécio fala em segunto turno sem PT a empresários

PEDRO VENCESLAU E RICARDO CHAPOLA - Agência Estado

29 Abril 2014 | 07h 57

Empolgado com os números da pesquisa do Ibope divulgada no último dia 17, que apresentou a terceira queda consecutiva na aprovação do governo da presidente Dilma Rousseff (PT), o senador Aécio Neves, pré-candidato do PSDB ao Palácio do Planalto, já fala em uma disputa de 2.º turno entre ele e o ex-governador Eduardo Campos (PSB).

O número de pessoas que considera a gestão petista ótima ou boa passou de 43% em dezembro para 39% em fevereiro, 36% em março e 34% em abril. "Não acho fora de propósito que podemos chegar, nós dois, ao 2.º turno. O PT terá que trabalhar muito para não ficar fora", disse o senador ontem (28), depois de participar de uma palestra na Associação Comercial de São Paulo.

Também em São Paulo, onde participou de almoço com 525 empresários do Lide (Grupo de Líderes Empresariais), o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, pré-candidato do PSB, foi mais cauteloso e evitou conjecturar a exclusão de Dilma na reta final da campanha. "Nós vamos estar no segundo turno. Não tenho dúvidas disso".

Apesar da queda da aprovação da administração federal, a presidente Dilma mantem uma liderança tranquila nas pesquisas de intenção de voto. Na última do Ibope, no melhor cenário, ela registrou 37% da preferência dos eleitores, contra 14% de Aécio e 6% de Eduardo Campos. Dilma venceria a eleição no 1.º turno em todos os cenários.

Disputa paulista Os dois principais adversários da presidente Dilma estão disputando palmo a palmo a atenção dos empresário paulistas. Ambos foram recebidos pela Associação Comercial de São Paulo, entidade que orbita na área de influência do ex-prefeito Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD, e pelo Lide, grupo liderado pelo empresário João Dória.

Aécio, porém, tem articulado uma agenda mais extensa de pequenos encontros reservados com empresários de diversos setores do Estado.

Só em 2014, o tucano foi recebido por empresários da comunidade judaica na casa do presidente do Hospital Albert Einstein, Cláudio Lottemberg, por jovens empresários na casa de José Ermírio de Moraes e por dirigentes do agronegócio em Ribeirão Preto.

Nos encontros com os empresários, Campos e Aécio têm repetido um discurso parecido: promessa de reforma tributária, redução da carga tributária, manutenção da inflação no centro da meta e redução do número de ministérios, além de críticas à política econômica da presidente Dilma Rousseff. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo