1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Advogados apontam falha técnica para queda do avião que matou Eduardo Campos

- Atualizado: 21 Janeiro 2016 | 07h 22

Representantes do piloto e copiloto consideram relatório que apontou falha humana como 'reducionista, negligente e incompleto'

Carlos Camacho, perito
Carlos Camacho, perito

Representantes das famílias do piloto e copiloto do avião cuja queda vitimou, além deles, o então candidato à presidência da República, o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, e outras quatro pessoas, apontaram uma falha no sensor de velocidade como a possível causa determinante para o acidente. O argumento servirá como base para uma ação nos Estados Unidos contra a Cessna, fabricante do avião.

Esta e outras possíveis falhas técnicas, de acordo com o advogado Josmeyr Oliveira, não foram investigadas de forma aprofundada pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), cujo relatório final destacou a falha humana como causa determinante para o acidente. Apresentado nesta terça-feira, 19, em Brasília, documento descartou falhas técnicas e apontou a fadiga, despreparo e desorientação do piloto Marcos Martins e do copiloto Geraldo Magela, para realizar manobras de emergência naquele tipo de aeronave.

O documento é considerado “reducionista, negligente e incompleto” pelo advogado. “Faltaram dados para eles criarem paradigmas para dizer o que aconteceu e o que não deveria acontecido”, disse Oliveira. As famílias dos tripulantes e de Eduardo Campos já haviam contestado o documento na própria terça-feira.

Relatório paralelo produzido com o auxílio do perito Carlos Camacho, ex-comandante de aeronaves de grande porte, rebate uma a uma as argumentações do Cenipa, de que os pilotos estariam cansados e despreparados para aquele voo. Segundo Camacho, antes de viajar na manhã de 13 de agosto de 2014, dia do acidente, os pilotos tiveram 34 horas de repouso e estavam preparados. “Eles fizeram 90 missões naquela aeronave antes daquele voo. Mesmo se eles tivessem tido treinamento falho, isso seria compensado pela experiência”, disse.

O perito também rechaçou o argumento de que os pilotos tiveram desorientação espacial durante o procedimento de arremeter o avião. “Só quem já teve uma desorientação sabe o que é. Não se vê nada. E as últimas imagens da queda, colhidas em uma igreja, mostram que os pilotos já estavam retomando o controle do avião”, disse.

Omissões. O relatório independente aponta ao menos duas omissões no documento do Cenipa: a ausência de uma "reconstituição" do acidente em um simulador de vôo e a recusa do órgão em analisar acidentes e incidente ocorridos em aeronaves do modelo semelhante, mesmo depois de esses casos terem sido encaminhados pelos representantes dos pilotos.

Segundo Camacho, há casos antes e depois do acidente de 13 de agosto que apontam para a falha no sensor de velocidade como causa da perda de estabilidade do avião. “Em 2001, na Suíça, os pilotos tiveram altitude suficiente para recuperar o controle da aeronave”, disse.

O equipamento é responsável por impedir que procedimentos próprios ao pouso, como o uso de flaps (ferramenta instalada nas asas que permite estabilização da aeronave mesmo em velocidades mais baixas) e estabilizadores, sejam usados em momentos de maior potência do motor. Em caso de uso dos flaps em velocidade acima de 200 nós, o “nariz” do avião tende a apontar para o chão, diz Camacho.

Em nota, o Cenipa afirma que é o único órgão reconhecido pela Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) para a investigação de acidentes aeronáuticos no Brasil e segue a metodologia estabelecida no Anexo 13 da Convenção de Chicago.

"As conclusões do relatório sobre o acidente com a aeronave PR-AFA são resultado de quase um ano e meio de trabalho técnico e detalhado e contaram com a participação de especialistas capacitados e experientes, como pilotos, médicos, psicólogos e engenheiros. 

A investigação é exaustiva e compreende a reunião e a análise aprofundada de informações factuais e evidências que apontem todos os fatores, sem exceção, que possam ter contribuído para o acidente.

O relatório produzido pelo Cenipa visa à formulação de recomendações que busquem o aperfeiçoamento da segurança na aviação, com o único propósito de prevenir novos acidentes".

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX