1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Acusação de compra de apoio em Minas vai parar na Justiça

Marcelo Portela - O Estado de S. Paulo

27 Maio 2014 | 18h 20

Presidente do PSDB-MG, Marcos Pestana disse que 'nos próximos dias' vai interpelar judicialmente o peemedebista Antonio Andrade, que acusa tucanos de oferecer proposta de 20 milhões por 'aliança'

Belo Horizonte - O presidente do diretório do PSDB em Minas Gerais, deputado federal Marcus Pestana, afirmou nesta quarta-feira, 27, que vai acionar judicialmente o presidente do PMDB mineiro e colega de Câmara Antônio Andrade. Na última segunda-feira, 26, o peemedebista acusou os tucanos de tentarem "comprar" o apoio do partido ao ex-ministro e pré-candidato ao governo, Pimenta da Veiga.

Segundo a assessoria de Pestana, o departamento jurídico do partido prepara a interpelação judicial que será apresentada "nos próximos dias" ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Por meio de nota, Pestana classificou como "irresponsabilidade, calúnia e leviandade" as declarações de Andrade, que durante reunião da executiva mineira do PMDB na segunda-feira, 26, afirmou que um "porta-voz" do PSDB ofereceu R$ 20 milhões para financiar as campanhas de candidatos peemedebistas à Câmara, além da vaga na "aliança" para a disputa pelo Senado. "Nunca houve qualquer conversa da direção do PSDB de Minas Gerais com o mencionado deputado", afirma o texto.

A interpelação judicial, segundo a nota, servirá para que "os fatos sejam esclarecidos e explicados". Após a acusação do peemedebista, Pestana declarou que "nunca conversou com Antonio Andrade sobre aliança".

No início de março, o tucano se reuniu formalmente com a direção do PMDB mineiro na sede do partido, que é o principal aliado do governo da presidente Dilma Rousseff, para convidar a legenda a aderir à aliança em torno de Pimenta. Na ocasião, ele admitiu ao Estado a "possibilidade" de abrir dar uma vaga na chapa majoritária aos peemedebistas.

Parte do PMDB mineiro era favorável à candidatura própria ao governo de Minas, mas o senador Clésio Andrade (MG) renunciou à pré-candidatura. O partido deve apoiar o ex-ministro Fernando Pimentel (PT) em Minas e Antônio Andrade, que era colega de ministério do petista, é o mais cotado para ser candidato a vice-governador.

Na chapa tucana, o ex-governador Antonio Anastasia foi lançado como pré-candidato ao Senado na semana passada.

Antônio Andrade não atendeu o telefone na tarde de nesta terça.