1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Mensalão mineiro

'Acredito na isenção do STF', diz FHC sobre mensalão mineiro

CARLA ARAÚJO E RICARDO CHAPOLA - Agência Estado

17 Fevereiro 2014 | 15h 34

Após evento com empresários em Santo Andre, ex-presidente evitou comentar as consequências do julgamento do escândalo para a campanha de Aécio Neves

São Paulo - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) evitou comentar sobre a punição de tucanos com eventual participação no mensalão mineiro, nesta segunda-feira, 17. O deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG) é réu no processo que vai ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). "Eu não li o processo, acho que processo vai ser julgado, eu acredito na isenção do STF", disse, após participar de palestra para empresários em Santo André (SP).

Azeredo é acusado de envolvimento com esquema de desvio de recursos públicos para abastecer sua campanha à reeleição para o governo de Minas Gerais em 1998. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu que o Supremo condene Azeredo a uma pena de 22 anos de prisão e pagamento de multa de R$ 451 mil por participação no esquema.

Questionado se o episódio pode ter algum impacto na campanha do provável candidato Aécio Neves à Presidência, FHC esquivou-se. "Eu não quero saber, eu não vou opinar sobre o que cada um faz", disse. Segundo o ex-presidente, "se o STF achar que tem culpa é que tem culpa".

FHC disse ainda que acredita que o julgamento do mensalão dos petistas foi feito "objetivamente". "Teve erro e quem tiver erro, que pague o erro. A proporção (das penas), os juízes é que sabem", disse. O ex-presidente afirmou que os partidos não devem "torcer contra o tribunal". "Os partidos têm que ser isentos nessa matéria, não tem que estar torcendo contra o tribunal. Tem que torcer que a, b ou c não tenham feito nada de errado, mas pagam se fizeram", ressaltou.

Mensalão mineiro