ACM diz a Serra que sonhou com ele e com FHC

Senador está internado na UTI do Incor, em São Paulo, desde a última quarta-feira

Agencia Estado

25 Junho 2007 | 15h54

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), visitou nesta quinta-feira, 21, à tarde o senador Antonio Carlos Magalhães (DEM-BA), no Incor-SP, onde o parlamentar baiano está internado desde a última quarta-feira. Depois de uma visita de cerca de uma hora, Serra afirmou: "Eu conversei bastante e ele até me disse que na noite passada sonhou comigo e com o Fernando Henrique (ex-presidente FHC) a noite inteira". Questionado sobre o teor do sonho, o governador paulista emendou: "Foi bom, o sonho foi bom". Segundo José Serra, o senador baiano está com boa aparência, conversando normalmente e com o quadro estabilizado. "Eu não sou médico, mas achei ele muito bem. Ele está lúcido e conversando normalmente", declarou. O governador paulista informou que eles não conversaram sobre política, mas apenas sobre amenidades. "Não ia puxar assunto de política, mas ele me disse que está louco para voltar para Brasília". ACM ainda não tem previsão de alta hospitalar. O neto do senador, o deputado federal ACM Neto (DEM-BA), que o acompanha no Incor, também afirmou na tarde desta quinta-feira que seu avô está muito bem, se recuperando e que ele quer retomar logo os trabalhos no Senado federal. O senador está internado em um quarto adaptado que permite, por exemplo, o monitoramento das funções cardíacas e o recebimento de medicamentos venosos. Num contraponto às informações que circularam ontem, ACM apresentou melhora no quadro renal e cardiovascular. Vavá O irmão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Genival Inácio da Silva, o Vavá, esteve na tarde desta quinta-feira no Incor fazendo exames cardiovasculares, necessários à operação de colocação de pinos nas pernas, que realizará em breve. Abordado pelos repórteres, que estavam de plantão no Incor por conta do senador ACM, Vavá foi atencioso, mas não quis dar nenhuma declaração sobre a exclusão do seu nome da lista de suspeitos de envolvimento com a máfia dos caça-níqueis da Operação Xeque-Mate da Polícia Federal. Apesar de não dar declarações, os familiares de Vavá informaram que ele está muito bem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.