Pedro Venceslau / Estadão
Pedro Venceslau / Estadão

'Abusaram da liberdade criativa na série', diz Moro sobre 'O Mecanismo'

Depois de fazer duas palestras em Porto Alegre, o magistrado pegou voo nesta terça-feira para Curitiba

Pedro Venceslau, enviado a Porto Alegre e Curitiba, O Estado de S.Paulo

11 Abril 2018 | 15h46

Os passageiros do voo 4156 da Azul de Porto Alegre para Curitiba já estavam acomodados quando uma das aeromoças disse a um senhor que ocupava um lugar na segunda fileira que sua bagagem seria colocada em outro local, no fundo do corredor da aeronave. “Vamos ter que colocar aqui a mala do juiz”, explicou. Foi nesse momento que Sérgio Moro entrou no avião e se acomodou no assento da janela na primeira fileira. Ele não circulou pelo setor de embarque antes. 

A reportagem do Estado, que estava na poltrona do corredor ao lado de Moro, tentou entrevistá-lo, mas o juiz disse que precisava trabalhar. O lugar ao seu lado ficou vago, apesar de o voo estar quase lotado. Ao perceber quem era o “juiz”, o passageiro assentiu com cabeça e afirmou, dirigindo-se a Moro: “O sr. fez muito pelo Brasil”.

++ Vereador de São Paulo pede para incluir "Moro" em seu nome no painel 

++ Moro proíbe algemas em Sérgio Cabral

No dia anterior, Moro havia feito duas palestras na capital gaúcha para mais de 2 mil pessoas e com transmissão ao vivo pela internet. Seu rosto estava na capa de todos os jornais locais e nacionais dos passageiros a bordo.  No Fórum da Liberdade, ele elogiou a ministra do STF Rosa Weber, por ser discreta e não falar com a imprensa. 

No trajeto de pouco mais de 50 minutos até Curitiba e poucas horas antes do interrogar Marcelo Odebrecht, Moro se dividiu entre a leitura de inquérito e do livro Excellent Cadavers

++ 'O Mecanismo': Saiba quem é quem na série da Netflix sobre a Lava Jato

A obra de Alexander Stille aborda a luta do magistrado italiano Giovanni Falcone contra a máfia até seu assassinato, em 1992. “Estou lendo pela segunda vez”, disse Moro ao ser questionado pelo repórter sobre o que estava achando da obra. 

Depois de tomar uma Coca-Cola e comer um salgado e um saco de balas de goma em forma de avião, o juiz deixou o livro de lado. Foi a deixa para uma segunda tentativa: o que achou da série O Mecanismo

“Abusaram da liberdade criativa na série, mas eu de fato ia de bicicleta de vez em quando”. Ao ser questionado se achou o ator parecido com ele, apenas sorriu, encabulado, e balançou a cabeça negativamente. Após a aterrissagem, Moro tentou cruzar o corredor da aeronave em busca da mala do senhor que cedeu espaço. 

Ao perceber que seria impossível, pediu ao comissário que fizesse isso. Foi então que outro passageiro se aproximou: “O Brasil inteiro está orando pelo sr”. Moro sorriu, agradeceu e saiu da aeronave antes dos demais passageiros. 

Foi recebido no corredor de desembarque por dois seguranças que o seguiram até a saída. No caminho, parou em uma loja e comprou duas revistas, uma delas com o seu rosto na capa. No trajeto até a caminhonete branca em que embarcou não foi abordado nem hostilizado.  Parecia um passageiro como outro qualquer quando entrou no veículo e foi seguido por outro carro de sua escolta.

Mais conteúdo sobre:
Netflix Sérgio Moro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.