1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Abert quer votação sobre 'Voz do Brasil' antes da Copa

LEONENCIO NOSSA - Agência Estado

27 Março 2014 | 19h 13

Os empresários de rádio lançaram nesta quinta-feira, 27, uma campanha para pressionar a Câmara a votar, antes da Copa do Mundo, o projeto de lei que flexibiliza o horário do programa "Voz do Brasil", que há 79 anos é transmitido de segunda-feira à sexta-feira, de 19 às 20 horas. Pelo projeto, as emissoras poderiam começar o noticiário às 20 ou 21 horas.

A proximidade das eleições é a principal barreira para a aprovação da proposta, avaliam empresários. A disputa por um horário cada vez mais nobre do rádio, momento em que ouvintes voltam do trabalho e de caos no trânsito, envolve de um lado os donos de 4.619 rádios comerciais e de outro parlamentares que ainda têm na Voz do Brasil um espaço de divulgação do trabalho ou que pertencem a legendas de esquerda, setor tradicionalmente contra a mudança.

A campanha "A voz que eu quero ouvir" aproveita a realização da Copa do Mundo para tentar aprovar o projeto. As peças publicitárias para rádio, TV e internet destacam que um terço dos 64 jogos do mundial ocorrerá no atual horário da Voz do Brasil. Uma modelo afirma: "(o projeto) é flexível e não me impede de ouvir o que está acontecendo às 19 horas. Inclusive os jogos da Copa".

Das emissoras de rádio comerciais, 1.227 deverão fazer a cobertura do torneio. O Palácio do Planalto, porém, prepara uma medida no âmbito do governo, que flexibiliza temporariamente o horário de transmissão da Voz do Brasil, garantindo a narração dos jogos. Os empresários dizem que a medida é paliativa. "O setor entende que essa medida não resolve. A Copa é só mais um episódio que mostra que a transmissão da Voz do Brasil às 19 horas é incompatível com a atual realidade brasileira", afirmou Daniel Slaviero, presidente da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert). "O poder de escolha deve ser dos ouvintes.

Slaviero observa que os três poderes - Executivo, Legislativo e Judiciário - já contam com uma rede de 650 emissoras de rádio e televisão pelo País. A Abert ressalta que em 1935, quando Getúlio Vargas criou a Voz do Brasil, o País contava com 41 emissoras de rádio - hoje são 11 mil, incluindo comerciais, educativas e comunitárias. A frota de veículos nas ruas era de 120 carros. Hoje, estima-se que 40 milhões de veículos trafegam pelas vias públicas.

A Abert argumenta que a interrupção da programação comercial em prol da Voz do Brasil deixou registros marcantes, como a suspensão do noticiário do desastre do avião da TAM, em Congonhas, em 2007, o discurso do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Fórum Social Mundial, em 2003, e um jogo da Seleção contra a Venezuela, pelas Eliminatórias da Copa, em 2009.

Em tramitação desde 2003, o projeto de lei 595, da deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), para flexibilizar o horário da Voz do Brasil previa que as rádios poderiam começar a transmitir o programa também a partir de 20 horas. Depois de aprovado na Câmara, o projeto de lei foi para o Senado, que decidiu alterar o texto. Neste caso, as rádios teriam alternativa de iniciar a transmissão às 21 horas. Agora, a proposta aguarda votação no plenário da Câmara.