Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

'A vida na Terra estará ameaçada se não respeitarmos os limites da natureza', diz Temer

Presidente abriu o Fórum Mundial da Água destacando a transposição do Rio São Francisco

Carla Araújo e Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

19 Março 2018 | 13h33

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer, ao abrir o 8º Fórum Mundial da Água, que é realizado em Brasília até sexta-feira, 23, afirmou que seu governo se esforça para terminar a transposição do Rio São Francisco. "Preservar não basta, é preciso fazer chegar a água aos lares das famílias. Há comunidades que ainda lutam contra a seca, daí o nosso empenho na Transposição do Rio São Francisco. Trata-se de projeto antigo que agora estamos finalizando", disse, sem citar os ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, que iniciaram as obras.

+++ ONU estima 5 bilhões vivendo em risco de escassez hídrica até 2050

"Estimamos que sejam beneficiados no total, quando as obras estiverem completas, cerca de 12 milhões de brasileiros no Nordeste", completou.

Temer classificou como a "maior obra hídrica do Brasil" e destacou que seu governo lançou o programa Novo Chico, para revitalizar do rio. 

O presidente anunciou também que o governo vai enviar um projeto de lei para aprimorar ações de saneamento básico e admitiu "que ainda resta muito por fazer". "Estamos ultimando por projeto de Lei com vistas a modernizar o nosso marco regulatório de saneamento e incentivar novos investimentos", afirmou. 

+++Procuradora-geral da República discute criação de instituto com enfoque na gestão da água

Segundo o presidente, o mundo tem cerca de 2 bilhões de pessoas que não têm fonte segura de água em suas casas. "Cerca de 260 milhões precisam andar mais de meia hora para coletar água. Não temos, portanto, tempo a perder. Ninguém aqui ignora que o acesso à água e ao saneamento básico está intimamente ligado a nossa capacidade de crescer de forma sustentável", disse.  

Temer disse que é "obrigação compartilhada" buscar um crescimento sustentável. "A vida na Terra estará ameaçada se não respeitarmos os limites da natureza", declarou. O presidente ressaltou que o Brasil tem um compromisso "histórico" com o crescimento sustentável. "Contribuímos para consagrar o conceito na Rio 92, quando presidia o país o eminente senador Fernando Collor", afirmou, citando o ex-presidente que está na plateia da abertura do Forum. "Estamos muito empenhados em implementar a agenda 2030", reforçou. 

O presidente disse que o desafio da sustentabilidade "é complexo" e exige iniciativas consistentes por parte de todos os países. "O planeta é um só. Se nos fecharmos em nos próprios, atuarmos de forma desarticulada, todos pagaremos um preço", afirmou. "As soluções que buscamos são necessariamente coletivas."

Temer citou que o País saiu da sua pior recessão da história e que fez isso "aliando responsabilidade fiscal e social". "Não admitimos a hipótese de crescer a qualquer custo", afirmou. O presidente listou algumas das ações na área do meio ambiente, como programas de captação de recursos para preservação das nascentes das bacias hidrográficas do São Francisco e do Rio Paraíba e afirmou que o seu governo avançou na proteção de florestas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.