Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » 'A política precisa ser regenerada', diz Haddad

Política

'A política precisa ser regenerada', diz Haddad

Prefeito de São Paulo defendeu que as divergências são positivas para a democracia e afirmou que falta de confiança no regime democrático é 'preocupante'

0

Juliana Diógenes,
O Estado de S.Paulo

14 Março 2016 | 20h57

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), disse nesta segunda-feira,  14, durante palestra para analistas e auditores fiscais em formação no Expo Center Norte, que a política precisa passar por um processo de regeneração e pediu que o debate seja feito com "responsabilidade". Haddad defendeu que as divergências são positivas para a democracia e afirmou que é "preocupante" a falta de confiança no regime democrático.

"A política precisa ser regenerada. Não há solução que não seja política para a crise que nós estamos enfrentando. Esse esgarçamento do tecido social não vai produzir os melhores resultados se a gente não repactuar o jogo democrático. Nós temos que ter responsabilidade neste momento de buscar soluções, inclusive conjuntas, para a crise que o País está vivendo", disse o prefeito.

Haddad afirmou que a "ameaça passa a existir" quando a sociedade coloca divergências políticas como obstáculos. 

"Muitas vezes as pessoas pensam que divergências são coisas que jogam contra a democracia. Eu acho exatamente o contrário. Quando há pontos de vista divergentes, é a forma de você construir sínteses mais elaboradas. Não podemos fazer da diferença, da divergência, um motivo para não buscarmos essa síntese".

O petista defendeu a democracia, afirmando que o regime funciona e que é "preocupante" quando há falta de confiança da população no processo. "Às vezes a gente usa mal. Sabendo usar, você constrói", destacou. "Quando você começa a ver a divergência como um obstáculo, você não procura o entendimento. Democracia é entendimento das forças políticas", disse Haddad.

Na palestra, o prefeito destacou que, embora seja de esquerda, "adora" dar aulas com autores "de direita". Ele não citou, porém, o nome dos autores. Haddad é professor de Teoria Política do curso de Filosofia da Universidade de São Paulo (USP). Segundo ele, muitos alunos "saem frustrados" e "indignados" por esperar das aulas uma "apoteose socialista".

Segundo o prefeito, ensinar teorias de autores "de direita" submete os alunos ao "crivo da crítica", tornando-os "cidadãos mais plenos, mais conscientes e mais fortes das suas convicções". Haddad concluiu a palestra afirmando que a diferença constrói e que "não pode ter medo, não".

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.