1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'A política precisa ser regenerada', diz Haddad

- Atualizado: 14 Março 2016 | 20h 57

Prefeito de São Paulo defendeu que as divergências são positivas para a democracia e afirmou que falta de confiança no regime democrático é 'preocupante'

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), disse nesta segunda-feira,  14, durante palestra para analistas e auditores fiscais em formação no Expo Center Norte, que a política precisa passar por um processo de regeneração e pediu que o debate seja feito com "responsabilidade". Haddad defendeu que as divergências são positivas para a democracia e afirmou que é "preocupante" a falta de confiança no regime democrático.

"A política precisa ser regenerada. Não há solução que não seja política para a crise que nós estamos enfrentando. Esse esgarçamento do tecido social não vai produzir os melhores resultados se a gente não repactuar o jogo democrático. Nós temos que ter responsabilidade neste momento de buscar soluções, inclusive conjuntas, para a crise que o País está vivendo", disse o prefeito.

Haddad afirmou que a "ameaça passa a existir" quando a sociedade coloca divergências políticas como obstáculos. 

"Muitas vezes as pessoas pensam que divergências são coisas que jogam contra a democracia. Eu acho exatamente o contrário. Quando há pontos de vista divergentes, é a forma de você construir sínteses mais elaboradas. Não podemos fazer da diferença, da divergência, um motivo para não buscarmos essa síntese".

O petista defendeu a democracia, afirmando que o regime funciona e que é "preocupante" quando há falta de confiança da população no processo. "Às vezes a gente usa mal. Sabendo usar, você constrói", destacou. "Quando você começa a ver a divergência como um obstáculo, você não procura o entendimento. Democracia é entendimento das forças políticas", disse Haddad.

Na palestra, o prefeito destacou que, embora seja de esquerda, "adora" dar aulas com autores "de direita". Ele não citou, porém, o nome dos autores. Haddad é professor de Teoria Política do curso de Filosofia da Universidade de São Paulo (USP). Segundo ele, muitos alunos "saem frustrados" e "indignados" por esperar das aulas uma "apoteose socialista".

Segundo o prefeito, ensinar teorias de autores "de direita" submete os alunos ao "crivo da crítica", tornando-os "cidadãos mais plenos, mais conscientes e mais fortes das suas convicções". Haddad concluiu a palestra afirmando que a diferença constrói e que "não pode ter medo, não".

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX