1. Usuário
Assine o Estadão
assine


A ministros, Mercadante pede empenho para enfrentar 'abacaxis'

Ampliado às 11h55 - Ricardo Della Coletta e Rafael Moraes Moura

04 Fevereiro 2014 | 10h 57

Em primeiro pronunciamento à frente da Casa Civil, petista reconhece missões 'espinhosas' e diz que sua gestão vai combinar 'discrição e muito trabalho'

Brasília - Em seu primeiro pronunciamento à frente da Casa Civil, nesta terça-feira, 4, o ministro Aloizio Mercadante agradeceu a presidente Dilma Rousseff pela confiança na "complexa e honrosa" tarefa de chefiar a pasta, que lida com "espinhosas missões".

Durante a cerimônia de transferência do cargo, até então ocupado por Gleisi Hoffmann, Mercadante disse ainda que sua gestão vai combinar "discrição e muito trabalho". "Portanto, a imprensa que se prepare", afirmou o ministro eu seu discurso. Ao final, conclamou os demais ministros a trabalhar para resolver os "abacaxis" que terão pela frente.

Mercadante mencionou programas do governo e disse Brasil vai realizar "uma grande" Copa do Mundo de Futebol. "O Brasil, que disputou todas as Copas do Mundo e sempre foi muito bem acolhido, saberá realizar uma grande Copa, demonstrando talento e eficiência", disse.

Segundo o ministro, o Brasil tem se destacado pela força da sua democracia e lembrou que a presidente Dilma Rousseff esteve atenta às manifestações da sociedade, propondo cinco pactos em áreas como transporte, saúde e reforma política. "Os pactos propostos pela presidente estão respondendo às inquietações das ruas", defendeu. Ele também disse que o governo está empenhado em dar transparência as suas atividades e em combater a "chaga histórica da corrupção".

A exemplo de pronunciamentos recentes de Dilma, Mercadante destacou as ações do governo na política econômica e o compromisso com o "controle da inflação". Mercadante também afirmou que o Brasil, nos últimos anos, tem melhorados suas finanças públicas e defendeu a atuação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, e de outros membros da equipe econômica, como o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, e o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin.

Reforma ministerial. À ex-ministra Gleisi, Mercadante desejou "êxito" em sua nova empreitada no Paraná, Estado por onde vai disputar o comando do Estado. Antes das eleições, Gleisi retomará sua vaga no Senado.

A ida de Mercadante para a Casa Civil integra a primeira etapa da reforma ministerial promovida pela presidente Dilma Rousseff. Além dele, tomaram posse Arthur Chioro na Saúde, José Henrique Paim na Educação e Thomas Traumann na Secretaria da Comunicação Social. Dilma ainda planeja outras alterações, que devem ser anunciadas ainda em fevereiro.