1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

A falta que opinião faz

Dora Kramer

- Atualizado:23 Setembro 2014 | 05h 26

Os candidatos a presidente do Brasil têm muita sorte. Falassem eles e elas para eleitorado mais exigente cortariam um dobrado no quesito discussão de programa de governo.

No lugar de buscar o desaforo mais eficiente para desancar o adversário, seriam obrigados a encontrar o argumento mais consistente para convencer a população de que o gesto do voto vale mais a pena que o ato obrigatório.

Faltando duas semanas para as eleições a situação é a seguinte: a candidata que apresentou o programa de governo adapta as propostas ao sabor das conveniências e os outros dois evitam apresentar seus programas por escrito e em detalhes para evitar se comprometer e também não serem contestados.

Isso tudo quer dizer que a campanha se desenvolve em torno de um ambiente meramente publicitário. Não há uma "troca" com a sociedade, mas uma tentativa de "venda" de produtos.

É possível que do ponto de vista do marketing político isso seja moderno, mas sob o aspecto da vida real não é um comportamento aceitável, embora aceito no ambiente em que vivemos.

Marina Silva divulgou seu programa de governo, sofreu críticas, recuou em relação a alguns pontos, outros ficaram em aberto à discussão pública de gente ligada à sua campanha e isso abriu espaço para que os adversários explorassem uma suposta inconsistência programática.

Temendo ser vítima do mesmo veneno, Dilma Rousseff e Aécio Neves optaram por adiar a apresentação por escrito de suas propostas, a fim de não se comprometer e assim evitar cobranças. Preferem divulgar suas proposições em "pílulas", ponto a ponto, no horário eleitoral, em entrevistas, em discursos, de maneira publicitária, na moldura que melhor lhes convier.

É um direito que os assiste, verdade. Mais: uma situação perfeitamente possível diante da passividade de um eleitorado completamente desinteressado por esse tipo de detalhamento programático.

Pelo que se vê no movimento das pesquisas, gente mais afeita das arquiteturas publicitárias que já entregam mastigado o recado sem obrigar ninguém a ter trabalho de raciocinar a partir do escrutínio daquilo que poderiam propor os concorrentes a presidente.

A pobreza de espírito que se impõe é uma via de mão dupla. Uma situação consentida pelo eleitorado que por sua vez não reivindica o seu direito de saber o que pretendem fazer os seus candidatos.

Uso e abuso. A presidente Dilma Rousseff defendeu o uso do Palácio da Alvorada para as entrevistas que vem dando ultimamente, em contraposição a reparos feitos pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Dias Toffoli.

Dilma argumentou que antecessores também usaram o Palácio e tem razão. É a residência oficial do presidente. Ela está no cargo, esta é uma das vantagens. O desequilíbrio reside no fato de que nunca como presidente Dilma se dispôs a falar à imprensa como agora quando é candidata.

Não fala quando é de interesse da Nação, mas fala - e muito a toda hora - quando interessa à candidatura. Este é o ponto a que se refere o ministro presidente do TSE.

Zigue-zague. Na sexta-feira, o governo estava "chocado" com o "erro gravíssimo" cometido pelo IBGE na Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios no que tange à evolução da desigualdade no País, segundo palavras da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, para quem Dilma Rousseff havia ficado "perplexa" com o ocorrido.

No sábado, noticiário dava conta da demissão da direção do instituto. No domingo, a presidente comunicou aos governados que na sua análise o que ocorreu foi um "erro banal".

E assim ficará tudo por isso mesmo.

Mais em PolíticaX