WILTON JUNIOR/ESTADÃO - 2006
WILTON JUNIOR/ESTADÃO - 2006

A disputa eleitoral no clã Bolsonaro

Em 2000, o hoje presidenciável usou o filho de 17 anos para brecar carreira política da mãe

Luiz Maklouf Carvalho, O Estado de S.Paulo

15 Abril 2018 | 05h00

Corria o ano 2000. Revoltado com a ex-mulher, a vereadora Rogéria Nantes Braga Bolsonaro, por entender que traiu sua confiança, o deputado federal Jair Messias Bolsonaro escalou um filho menor do casal, Carlos, de 17 anos, para disputar com a mãe, de 40, a eleição que poderia levá-la ao terceiro mandato na Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Disputa única do gênero na política brasileira, que se saiba, mãe e filho concorreram na eleição de 1.º de outubro. Carlos Bolsonaro foi eleito com 16.053 votos, o mais jovem vereador do Rio. Rogéria, com 5.109, amargou a suplência e o fim de uma carreira política começada em 1992. “Filho de troglodita, troglodita é”, disse Jair Bolsonaro ao Estado dias depois da eleição, comemorando a vitória do filho, que atribuiu à “transferência de votos”. “Não foi uma eleição de filho contra mãe, mas sim de filho com o pai”, disse ao Estado. “Para mim, ela já está morta há muito tempo”, complementou, referindo-se à ex-mulher, de quem já estava separado há três anos.

+ O julgamento que tirou Bolsonaro do anonimato

Em entrevista à revista Istoé Gente, em fevereiro de 2000, ele explicou assim:

“Meu primeiro relacionamento despencou depois que elegi a senhora Rogéria Bolsonaro vereadora, em 1992. Acertamos um compromisso. Nas questões polêmicas, ela deveria ligar para o meu celular para decidir o voto dela. Mas começou a frequentar o plenário e passou a ser influenciada pelos outros vereadores. Eu a elegi. Ela tinha que seguir minhas ideias. Acho que sempre fui muito paciente e ela não soube respeitar o poder e liberdade que lhe dei”. 

Hoje no sétimo mandato consecutivo de deputado federal – e presidenciável da extrema direita bem posicionado nas pesquisas –, Jair Bolsonaro ganhou fama no final dos anos 80, quando oficial do Exército. Foi preso por publicar um artigo com críticas ao governo Sarney, e depois processado sob a acusação de planejar ações terroristas. Condenado na primeira instância, foi inocentado pelo Superior Tribunal Militar, por 9 a 4, em julgamento ocorrido em junho de 1988. No mesmo ano foi eleito vereador do Rio de Janeiro pelo PDC – o primeiro dos seus até agora nove partidos. Dois anos depois, elegeu-se deputado federal, e entrou para a reserva.

+ Raquel denuncia Bolsonaro por ‘quilombolas não servem nem para procriar’

Como mostram os processos a que Bolsonaro respondeu, Rogéria participava ativamente da atividade dissidente do marido militar, especialmente por melhores condições salariais. Integrava um grupo militante de mulheres de oficiais descontentes – e não tinha medo de aparecer. Consta, por exemplo, na seção de cartas do Estado em 21 de janeiro de 90, conclamando as esposas dos militares a apoiarem um mandado de injunção, no Supremo Tribunal Federal, que traria um aumento nas pensões por morte.

O cacife eleitoral do marido ajudou-a a eleger-se vereadora na eleição de 1992, com 7.924 votos. Foi a 26.ª colocada, de 51 eleitos, à frente, por exemplo, dos conhecidos Antônio Pitanga, ator, e Augusto Boal, diretor de teatro. Rogéria destacou-se, não só pela estampa vistosa, mas pela desenvoltura e produtividade, como registram os arquivos da Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Em dezembro de 95, segundo registro também do Estado, é citada, pelo então presidente do PPB do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, entre as mulheres mais destacadas do partido, lista que incluía a ex-ministra Zélia Cardoso de Melo, a socialite Regina Marcondes Ferraz, a atriz Lady Francisco e a modelo Luiza Brunet. 

+ Bolsonaro 'alinha-se ao regime da escravidão', acusa Raquel

“A Rogéria foi uma vereadora com grande preocupação social, transparente e sempre presente”, disse ao  Estado o deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ), seu colega de Câmara no primeiro mandato, o único a falar com aspas entre meia dúzia de vereadores da época. 

Na reeleição, em 1996, Rogéria Bolsonaro mais que triplicou a votação anterior: teve 24.891 votos. Os anais da Câmara mostram uma vereadora operosa, com projetos nas áreas de meio ambiente, deficientes físicos, defesa da mulher, planejamento familiar e até a criação de um “comitê de ação da cidadania contra a miséria e pela vida”. Presidiu, neste mandato, a Comissão de Educação e Cultura da Câmara.

A desavença conjugal ocorreu no começo deste segundo mandato de Rogéria – ambos insatisfeitos com as infidelidades de cada um. Quem viveu de perto – e não fala abertamente, com medo do quem sabe futuro presidente da República – relata que Bolsonaro teve enorme dificuldade de já ir se acostumando. Finalmente separados, ambos assumiram os relacionamentos já existentes. Vida que segue, como do jogo. Até a eleição de 2000.

+ Sem regra, pré-campanha vira ‘vale tudo’ eleitoral

Ao comando do pai, Carlos Bolsonaro registrou sua candidatura em 27 de junho. A fotografia oficial, que consta do registro no Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro, sublinha sua juventude estudantil de 17 anos (é de 7/12/82), sem bens a declarar. Em 24 de julho, a promotoria eleitoral arguiu que a idade “maculava a condição de elegibilidade”. Bolsonaro pai recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral, fazendo uma consulta sobre a idade mínima para candidatos a vereador. A resposta, unânime, de sete ministros, foi um inciso da Lei 9.504/97: “A idade mínima de 18 anos para concorrer ao cargo de vereador tem como referência a data da posse”. Em 1.º de janeiro de 2001 o filho de dona Rogéria, então suplente, já entrara na casa dos 18.

Assumiu, então, o primeiro de seus até aqui cinco mandatos consecutivos.

“O filho foi claramente usado pelo pai, para se vingar da vereadora, que foi deserdada”, disse o deputado Chico Alencar. “É uma prática política arcaica, com viés autoritário e patriarcal”, complementou.

‘Não vai falar.’ ​

O deputado Jair Bolsonaro não quis falar ao Estado. O advogado Gustavo Bebiano, presidente do PSL, foi informado da pauta, e reiterou a negativa: “Sobre este assunto ele não vai falar”, disse. Bebiano não conhecia a história da eleição de 2000. Ao ouvi-la, não fez comentários específicos. Mas disse: “O Jair é honesto, e sempre assume as atitudes dele. O que eu mais aprecio no Jair é ter a coragem de não ser politicamente correto – o que faz de nós todos mentirosos”.

Procurada, a ex-vereadora Rogéria Bolsonaro não deu retorno aos pedidos de entrevista. Em 2016, quando Jair Bolsonaro tornou-se réu no Supremo Tribunal Federal, por crime de incitamento ao estupro – Ações Penais 1008 e 1007, em andamento –, ela divulgou uma carta aberta em que considera a acusação “absurda, inverídica e nefasta”, e declara “conviver bem até hoje com o pai de meus filhos”. É candidata à candidata a deputada estadual nas próximas eleições, pelo PSL. O vereador Carlos Bolsonaro, igualmente procurado, também não quis falar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.