1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Brasil registra o maior número de jornalistas assassinados em 23 anos, segundo entidade

- Atualizado: 29 Dezembro 2015 | 18h 36

Relatório do Comitê para a Proteção de Jornalistas (CPJ) contabilizou 69 mortes no mundo provocadas pela atividade jornalística; desse total, seis casos ocorreram no País, que ficou em 3º lugar na lista

Texto atualizado às 18h24

GENEBRA - O Brasil registrou em 2015 o maior número de assassinatos de profissionais de imprensa dos últimos 23 anos, segundo o Comitê para a Proteção de Jornalistas (CPJ). A entidade faz levantamentos desse tipo desde 1992 e, entre janeiro de 2015 e 23 de dezembro, contabilizou 69 mortes no mundo todo provocadas pela atividade jornalística das vítimas. Desse total, seis casos ocorreram no Brasil - outros dois homicídios também são suspeitos de terem ocorrido em função da atividade profissional dos alvos. Em contrapartida, levantamento feito pela ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF) e também divulgado nesta terça-feira, 29, deixou o Brasil fora da lista dos 10 locais mais perigosos para o trabalho da imprensa.

Na lista do CPJ, o Brasil está em terceiro lugar na lista de países com mais profissionais de imprensa assassinados em 2015, atrás da Síria, com 13 mortes, e da França, com 9 casos - a capital do país foi palco do atentado terrorista contra o Charlie Hebdo em janeiro, que havia publicado charges do profeta Maomé, o que é visto como ofensa por radicais islâmicos.

O número de jornalistas assassinados no Brasil se equipara ao de países que vivem em estado de guerra, como Iraque, Iêmen e Sudão do Sul. A diferença, segundo o CPJ, é que a maior parte dos profissionais de imprensa brasileiros assassinados em 2015 não atuava na cobertura de conflitos armados ou mesmo de criminalidade urbana, mas investigavam casos de corrupção.

A lista do CPJ cita as mortes de Ítalo Eduardo Diniz Barros, assassinado em 13 de novembro; Israel Gonçalves Silva, em 10 de novembro; Gleydson Carvalho, da Radio Liberdade FM 90.3, em agosto; Djalma Santos da Conceição e Evany José Metzker, ambos em maio; e Gerardo Ceferino Servían, em março em Ponta Porã (MS). Os jornalistas Orislândio Timóteo Araujo e Ivanildo Viana também foram citados, mas a entidade ainda investiga se suas mortes estão relacionadas à atividade profissional ou não. Desde 1992, foram 37 profissionais assassinados no Brasil.

Ataque ao jornal Charlie Hebdo mata 12 em Paris
Jacky Naegelen/ Reuters
Ataque ao jornal Charlie Hebdo na França

 Marca de bala na janela da redação da revista francesa Charlie Hebdo, alvo de atentado que matou ao menos 12 pessoas 

Embora o CPJ aponte a gravidade da situação no Brasil, a entidade destaca o esforço das autoridades do País em combater o problema e cita a condenação, em junho, de seis envolvidos na morte do jornalista mineiro Rodrigo Neto, ocorrida em 2013. A proteção aos jornalistas brasileiros foi alvo de críticas na ONU naquele ano, seja pela morosidade do Judiciário em condenar os acusados, seja pela falta de políticas do Executivo para permitir o exercício da profissão.

Radicalismo. No mundo todo, o CPJ liga 28 das 69 mortes ocorridas em 2015 ao radicalismo islâmico - 40% do total. A guerra civil na Síria ainda faz do país o mais perigoso do mundo para os jornalistas, segundo o comitê, mesmo com a redução do número de mortes em relação a 2014. Para a entidade, isso refletiria o fato de que um número cada vez menor de profissionais se arriscam a entrar no país árabe.

Para a Repórteres Sem Fronteiras, o extremismo também é o principal fator de risco para o trabalho dos jornalistas, apesar de haver diferenças entre os números dessa ONG e os do CPJ. A RSF contabiliza 110 mortes em 2015, embora em 45 casos não haveria uma motivação claramente ligada à atividade profissional das vítimas.

Pela classificação da entidade com sede em Paris, a liderança é do Iraque, com 11 casos - 9 confirmados e 2 a se confirmar. Em segundo lugar aparece a Síria, com 10 assassinatos de jornalistas, seguida pela França, com oito casos.

O Brasil não aparece na lista de nove países mais perigosos para a imprensa em 2015. Da América Latina, são citados México e Honduras, com 8 e 7 casos. No entanto, apenas 3 dos 8 homicídios citados no primeiro país têm ligação direta com a atividade jornalística já comprovada e, em relação aos hondurenhos, todos esses assassinatos ainda carecem de investigação.

Veja a relação de jornalistas mortos no Brasil em 2015:

 - Ítalo Eduardo Diniz Barros: 13 de novembro

Blogueiro, tinha 30 anos e foi morto a tiros em Governador Nunes Freire (MA), cidade a 181 quilômetros de São Luís. Segundo a Polícia Militar, Barros sofria ameaças por causa das publicações feitas em seu blog.

 - Israel Gonçalves Silva: 10 de novembro

O crime ocorreu na cidade de Lagoa de Itaenga (PE), a 64 quilômetros do Recife. O radialista foi morto a tiros depois de deixar os filhos na escola. Colegas de Gonçalves relataram que ele tinha uma postura crítica em relação a políticos da região e, por isso, recebia ameaças de morte. Na rádio, ele ancorava um programa voltado para problemas da cidade.

- Gleydson Carvalho: 6 de agosto

Gleydson Carvalho foi baleado enquanto apresentava um programa na emissora

Gleydson Carvalho foi baleado enquanto apresentava um programa na emissora

O radialista foi baleado em Camocim (CE), município a 379 quilômetros de Fortaleza, enquanto trabalhava. Segundo a PM, dois homens invadiram o estúdio e cometeram o crime. Carvalho ficou conhecido no município em razão do programa de rádio, no qual levava ao ar reportagens com denúncias contra políticos da região.

Djalma Santos da Conceição: 23 de maio

Jornalista e radialista de 54 anos, era conhecido como Djalma Batata. Foi encontrado morto na margem de uma estrada em Timbó (BA), a 110 quilômetros de Salvador. O corpo tinha marcas de 15 tiros. Segundo a polícia, ele foi sequestrado por três homens encapuzados. Conceição era uma das vozes mais ouvidas do município. No programa que apresentava, falava de crimes e política. Segundo irmãos dele, Djalma Batata vinha recebendo ameaças anônimas.

Evany José Metzker: 13 de  maio

O corpo do jornalista de 67 anos foi encontrado decapitado, seminu e com as mãos amarradas, na zona rural de Padre Paraíso (MG). Metzker tinha um blog com notícias sobre política. Uma das linhas de investigação da polícia era "morte por queima de arquivo". Parentes do jornalista, no entanto, diziam que ele nunca tinha comentado sobre perseguição.

Gerardo Ceferino Servían: 5 de março

Com 44 anos, o jornalista foi morto a tiros em Ponta Porã, município de Mato Grosso do Sul na fronteira com o Paraguai. Segundo informações da polícia, ele foi vítima de pistoleiros que estavam em uma moto. Servían já havia trabalhado em várias emissoras locais e, desde o início do ano, ancorava um programa noticioso numa rádio comunitária. A polícia apura os motivos do assassinato.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX