Lucio Tavora|AFP
Lucio Tavora|AFP

Vou brigar até o fim para ser candidato, diz Lula

Declaração foi feita em São Borja, onde ex-presidente visita túmulo de Getúlio Vargas

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

21 Março 2018 | 19h14

Após ter seu pedido de habeas corpus pautado no Supremo Tribunal Federal (STF), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva repetiu que vai "brigar até o fim" para ser candidato às eleições presidenciais deste ano. O petista tenta evitar uma prisão após condenação em segunda instância e, ao mesmo tempo, reverter condenação por corrupção e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato.

++ Encaminhamento de habeas corpus de Lula provoca debate entre Cármen e Gilmar

++ Deputados do PT apostam que ações sobre prisão em 2° instância entrarão em pauta esta semana

"Em nome do meu caráter e da minha honra, eu vou brigar porque eu aprendi a andar de cabeça erguida e, se eu baixar a cabeça, eles vão colocar uma cangalha no meu pescoço", disse o ex-presidente, em São Borja (RS), em vídeo divulgado nas redes sociais de Lula. O petista estava na cidade para visitar o túmulo de Getúlio Vargas. "Se querem me derrotar, tenham coragem. Se ganharem, eu fico quieto. Se perderem, eu vou fazer um governo melhor do que já fizemos", declarou.

Alegando ser inocente, ele cobrou o direito de ser candidato às eleições presidenciais. "Se preparem porque eu vou brigar. Se querem me derrotar, que criem coragem, que vão para a urna e vamos disputar cada voto desse País para a gente ver quem o povo quer eleger", disse o ex-presidente.

++ Lula diz que não tem medo de ser preso e reage a 'ódio' de manifestantes

++ Revisão de prisão após 2ª instância pode beneficiar nove condenados na Lava Jato

Lula disse que nunca reclamou ou entrou na Justiça contra a eleição de algum adversário, como fizeram com Dilma Rousseff com 2014. Ao se defender da condenação na Lava Jato, o petista voltou a falar que não respeita a decisão tomada contra ele. O ex-presidente repetiu que é mais inocente do que aqueles que o acusam.

O petista enfrentou protestos em sua passagem pela cidade, assim como ocorreu em outros pontos de sua caravana pelo Rio Grande do Sul. "Esses que andam me chamando de ladrão, se juntar mãe, o filho, o pai e a tia, não dá 10% da honestidade que eu tenho nesse país", declarou, criticando quem se manifestou contra ele.

++ José Nêumanne: Um tapetão para Lula

++ MBL e apoiadores de Lula trocam provocações no segundo dia da Caravana no Sul

Vestido com camisa azul e um lenço vermelho, Lula prometeu, se eleito, lançar um referendo revogatório e propor uma nova Constituinte para anular medidas do governo Michel Temer, como o teto de gastos públicos. Ele disse que, em um eventual governo, irá federalizar o ensino médio e tirar a exigência de declaração de Imposto de Renda para quem ganha até cinco salários mínimos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.