1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Senadores pedem investigação de Dilma; ministro vê 'factoide'

Leonencio Nossa / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo

26 Março 2014 | 02h 07

Representação de grupo 'independente' é tentativa de 'politizar' apuração de compra de refinaria, afirma Cardozo

Numa estratégia do governo de evitar uma CPI para apurar a compra da refinaria Pasadena pela Petrobrás, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, reclamou ontem que senadores criaram um "factoide eleitoral" ao pedir à Procuradoria-Geral da República para investigar a participação da presidente Dilma Rousseff no negócio. Em uma entrevista no começo da noite, ele afirmou que a representação apresentada por um grupo de parlamentares apresenta incorreções. "Há uma tentativa de politizar a investigação ao focar na presidente", disse.

Cardozo ponderou que não tinha intenção de influenciar a decisão do Ministério Público de focar em Dilma, mas de "esclarecer" à "opinião pública" que os parlamentares omitem o fato de a compra da refinaria ter sido tomada numa decisão "solidária" do Conselho de Administração da Petrobrás e não apenas por Dilma, que comandava o órgão no período em que o negócio foi feito, em 2006. "É uma tentativa clara de fazer uma cirurgia para focar a investigação na presidente, retirando a responsabilidade do conselho."

Cardozo reclamou que os senadores não deram detalhes da compra na representação, como o fato de que parte dos recursos (US$ 170 milhões) foi para adquirir estoque da refinaria em Pasadena. Ele negou que será um dos "rebatedores" da República daqui para frente". "Não sou um rebatedor, mas um esclarecedor geral dos fatos", afirmou.

A entrevista de Cardozo seguiu uma orientação do Planalto a ministros do governo e parlamentares aliados. A ordem é argumentar que não há fato novo para ser levado a investigações em outras instâncias. Não haveria novidade nem mesmo na prisão do ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa, detido na operação Lava Jato, da Polícia Federal, com mais de R$ 1 milhão em espécie guardado em casa.

A estratégia governista é colocar a diretora da Petrobrás, Graça Foster, e o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, absolutamente à disposição do Congresso para esclarecimentos, mostrando que não serão necessárias convocações obrigatórias da CPI.

Senadores da base e da oposição também entraram com uma representação contra Dilma na Procuradoria-Geral da República. Eles pedem que o procurador-geral, Rodrigo Janot, investigue a compra, pela Petrobrás, de uma refinaria em Pasadena, Texas (EUA).

No requerimento apresentado, os senadores Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), Cristovam Buarque (PDT-DF), Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), Pedro Taques (PDT-MT), Pedro Simon (PMDB-RS), Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e Ana Amélia (PP-RS) citam trechos da reportagem do Estado e alegam que a operação resultou em um prejuízo de US$ 1 bilhão.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo