DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO

Seis dias depois, Dilma Bolada volta às redes sociais

Estudante Jeferson Monteiro, responsável pela página, diz que temia ser alvo de questionamento judicial por apoio declarado à presidente, mas decidiu manter a personagem

Ricardo Chapola, O Estado de S. Paulo

29 Julho 2014 | 13h02

São Paulo - A personagem Dilma Bolada está de volta às redes sociais. Criada pelo estudante de publicidade Jeferson Monteiro, a página famosa pelas sátiras feitas à presidente Dilma Rousseff foi tirada do ar na quarta-feira passada, mas foi reativada pelo próprio dono do perfil nesta terça-feira, 29. No Facebook, o perfil de Dilma Bolada tem mais de 1,4 milhão de seguidores; e no Twitter, mais de 28 mil.

"Ela voltou! Dilma Bolada está de volta e se reclamarem, crio um fake do Lula! vlw flws", escreveu Monteiro em sua página pessoal do Facebook na manhã desta terça.

Em entrevista ao Estado, Monteiro afirmou usou o tempo em que o perfil ficou desativado para pensar de valia a pena ou não correr os riscos de ser acusado de favorecer a petista e ser alvo de processos judiciais. Ele, porém, disse que optou por manter o apoio explícito à presidente e, por isso, reativou a personagem.

 

"Como eu disse dezenas de vezes, sou a favor da Dilma e estou com ela e não abro, isso deveria servir de exemplo para todos os blogueiros e 'influenciadores' da internet, porque tem um monte de gente fechado com partidos por aí, falando mal da Dilma, inventando mentiras e pagando de imparcial, apartidário, isso é absurdo. Se está apoiando alguém, fale abertamente, declare", disse o estudante.

Ele também negou vínculos com o PSDB ou o PT quando decidiu em tirar Dilma Bolada do ar e quando optou em "ressuscitá-la".

"Quando a Dilma Bolada saiu do ar, teve gente que disse que foi porque o PSDB comprou. Quando voltou, tem gente que fala que foi porque o PT que comprou. Tudo que eu faço agora vira teoria da conspiração, complicado", afirmou.

Desde que desativou o perfil na quarta passada, Monteiro já dizia que a decisão não era definitiva. Ele resolveu tirá-la temporariamente do ar depois de avaliar que poderia ser acusado de "fazer a diferença" a favor da presidente que satiriza em Dilma Bolada agora que a campanha está nas ruas.

"Entramos no período eleitoral e esse ano não vai ser mole. Há alguns dias foi liberada a campanha e é muito ruim saber que você pode fazer a diferença mas ver que está quase sozinho no meio de uma tormenta que é a internet, e que tem tudo para piorar conforme 05/10 se aproximar", escreveu Monteiro na ocasião.

Em maio, o perfil de Dilma Bolada esteve envolvido numa polêmica após Monteiro ter dito que foi convidado a trabalhar para a campanha presidencial de Aécio.

Ele afirmou na ocasião que foi procurado por uma agência de publicidade que prestava serviços a campanhas. "A agência tinha um plano de venda de apoio político das suas páginas para as Eleições Presidenciais deste ano".

"A tal agência, por sua vez, disse que eles queriam que eu assinasse um contrato de exclusividade para garantir uma amarra da Dilma Bolada a eles e que pudessem efetuar a transação com os tucanos. Eu, é claro, não assinei coisa alguma", segue Monteiro que afirmou ter demonstrado interesse na proposta apenas para ver até onde a agência iria.

Mais conteúdo sobre:
eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.