1. Usuário
Assine o Estadão
assine


PT tenta 'dissipar' movimento 'Volta, Lula' com encontro

Ricardo Galhardo - O Estado de S.Paulo

02 Maio 2014 | 02h 06

Partido se reúne em São Paulo para discutir diretrizes do programa de governo da campanha de Dilma à reeleição

A direção do PT pretende usar o 14.º Encontro Nacional do partido que começa hoje em São Paulo para reforçar a pré-campanha de Dilma Rousseff à reeleição, buscar uma unidade de discurso a fim de estancar a queda da presidente nas pesquisas eleitorais e reduzir o coro pela volta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O evento vai reunir 5 mil delegados que terão a incumbência de definir as diretrizes do programa de governo e a tática eleitoral do partido para as eleições de outubro, mas o ponto alto do evento serão as participações de Lula e da presidente.

A direção petista e a coordenação da campanha de Dilma esperam que Lula reafirme o apoio à reeleição da presidente e descarte a possibilidade de disputar o Planalto em 2014. Com isso, o PT acredita no arrefecimento do "Volta, Lula". Segundo afirmou integrante da direção do partido em conversa reservada, o plano é que a questão seja "dissipada" ainda hoje.

Apesar da estratégia ensaiada, a cúpula petista teme reações isoladas pela volta do ex-presidente, principalmente por parte do grupo de parlamentares do qual fazia parte o deputado André Vargas (sem partido-PR), insatisfeito com a condução política do Planalto. O evento será fechado à imprensa, que só terá acesso ao ato de abertura com Lula e Dilma.

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, também vai aproveitar a presença de dirigentes petistas de todo o País para reforçar a posição de Dilma indicando nomes para as coordenações locais da pré-campanha à reeleição mesmo nos Estados onde o partido ainda não definiu a candidatura a governador. O objetivo é mobilizar o partido nos Estados para sair em defesa do governo federal e tentar interromper a queda da aprovação à gestão Dilma e nas pesquisas de intenção de voto.

O PT também quer usar seu 14.º Encontro Nacional para amplificar a campanha pela aprovação de uma constituinte exclusiva para a reforma política.

Na semana que vem a direção do partido vai orientar a bancada petista na Câmara a colocar em votação o projeto de lei que prevê a realização de um plebiscito popular para decidir sobre a reforma política mesmo que a proposta tenha poucas chances de ser aprovada. A estratégia do PT é fazer com que os setores da base aliada contrários ao projeto se exponham.

Na última semana algumas lideranças tentaram incluir moções de apoio a José Dirceu e José Genoino, condenados no processo do mensalão e presos na penitenciária da Papuda. A direção do PT, no entanto, ainda não decidiu como vai lidar com o assunto. A possibilidade mais provável é que um grupo de amigos de Dirceu e Genoino faça uma intervenção.

Setores do partido reclamam da falta de posições públicas da cúpula diante da demora do Supremo Tribunal Federal em avaliar o pedido de progressão de pena para o regime semiaberto de Dirceu e da ordem para Genoino voltar para a Papuda apesar de seus problemas de saúde.

  • Tags: