1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
Mensalao

PT não terá de assumir empréstimos de Valério

Decisão da Justiça do Distrito Federal segue entendimento do Supremo de que operações realizadas em 2005 foram fictícias

Por decisão judicial, o Partido dos Trabalhadores (PT) não será obrigado a pagar R$ 100 milhões em empréstimos tomados por empresas ligadas ao empresário Marcos Valério em bancos que abasteceram o esquema do Mensalão. Em decisão tomada no mês passado, a Justiça do Distrito Federal considerou que os empréstimos contraídos entre fevereiro de 2003 e outubro de 2004 nos bancos Rural e BMG eram fictícios. Isso, de acordo com a decisão, desobriga o partido de arcar com as despesas das operações.

Em dezembro de 2005, após a eclosão do escândalo, as empresas SMP&B, Graffiti Participações e Rogério Lanza Tolentino e Associados entraram com ação na Justiça de Brasília para cobrar do PT o pagamento por 13 operações feitas com o Rural, no valor de R$ 55,9 milhões, e outras três com o BMG, de R$ 44,1 milhões. O grupo alegou que contraiu os empréstimos a pedido do PT.

A sentença de fevereiro, proferida pela juíza Iêda de Castro Dória, foi baseada no julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF), que considerou os empréstimos fraudulentos e condenou Valério e seus antigos sócios, ex-integrantes da cúpula do PT e ex-dirigentes da cúpula do Banco Rural por crimes como lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, evasão de divisas e corrupção ativa.

Segundo a magistrada, não se pode questionar na Justiça comum "fatos já examinados e julgados". Ela condenou as empresas a pagarem as custas processuais e os honorários dos advogados do PT, arbitrados em R$ 50 mil.

A reportagem não localizou o secretário de Comunicação do PT, José Américo Dias, e o advogado que atua na defesa das empresas ligadas o empresário Marcos Valério.

Mensalao