Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

‘Prioridade deve ser unir o Brasil’, afirma Aécio

Tucano cumprimenta Dilma pela vitória, prega a reconciliação e diz que está ‘mais vivo do que nunca’: ‘combati o bom combate’

Pedro Venceslau, Elizabeth Lopes e Marcelo Portela, O Estado de S. Paulo

27 Outubro 2014 | 00h59

Depois de confirmada a vitória da presidente Dilma Rousseff (PT) no 2.º turno da eleição presidencial, o candidato do PSDB, Aécio Neves, deixou o apartamento de sua irmã, Andrea Neves, em Belo Horizonte e foi até um hotel no centro da cidade acompanhado de uma comitiva de tucanos, aliados e celebridades de vários estados. Em um breve pronunciamento, que durou pouco mais de dois minutos, o tucano fez um discurso de conciliação.

“Cumprimentei agora há pouco a presidente reeleita e desejei a ela sucesso na condução do seu próximo governo. Ressaltei que considero que a maior de todas as prioridades deve ser unir o Brasil em torno de um projeto honrado, que dignifique a todos os brasileiros”.

O senador, que terá mais quatro anos de mandato pela frente no Congresso, não respondeu perguntas. Em sua fala, Aécio lembrou o apóstolo Paulo. “Mais uma vez São Paulo é que trata de forma mais clara o sentimento que tenho hoje na minha alma e no meu coração: combati o bom combate, cumpri minha missão e guardei a fé”, afirmou o tucano.

Depois de votar pela manhã, o tucano passou o dia em seu apartamento e no final da tarde foi para o da irmã, onde recebeu dirigentes tucanos e aliados. Havia a expectativa da chegada do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do governador Geraldo Alckmin, o que não se confirmou. De São Paulo vieram o senador eleito José Serra e o senador Aloysio Nunes Ferreira, candidato a vice na chapa tucana.

Votação. Ao votar pela manhã no colégio Milton Campos, na região centro-sul de Belo Horizonte, Aécio já falava em “união nacional’. “Estou pronto para ser o presidente de todos, da união nacional e de um novo ciclo de crescimento e desenvolvimento sustentável no Brasil”, disse.

“Me vejo em melhores condições de fazer este entendimento e governar o Brasil do que minha adversária”, afirmou Aécio, reiterando que pretende cumprir cada um de seus compromissos de campanha e governar para os que mais precisam, os pobres e mostrar que “o terrorismo feito pela campanha adversária tinha o intuito de fazer o PT se perpetuar no poder”.

O tucano fez um rápido pronunciamento ao lado da esposa Letícia Weber, ambos vestidos de azul, e apontou duas marcas antagônicas e fortes na campanha presidencial. Voltou a acusar o PT de promover “a mais sórdida campanha jamais feita no País, com ofensas, calúnias e mentiras” para se manter no poder e disse que sua candidatura deixará como lembrança no Brasil a mobilização nas ruas.

“Outra extraordinária marca que o Brasil irá se lembrar é a do Brasil que acordou e foi para as ruas para dizer que não aceita mais que um partido se julgue dono do nosso destino.”

O pronunciamento de Aécio foi feito num hotel na região central de Belo Horzionte e não no comitê do partido. Os tucanos temiam hostilidades ou incidentes envolvendo militantes petistas no centro eleitoral do PSDB na capital mineira.

Aécio aparentava abatimento durante a breve fala. No hotel e no apartamento de Andrea Neves, o clima horas antes era do resultado era de euforia. Os tucanos trabalhavam com a perspectiva de vitória até o último momento. / COLABOROU ANA FERNANDES

Mais conteúdo sobre:
Eleições Aécio Neves PSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.