1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Prévia tucana terá segundo turno entre Doria e Matarazzo

- Atualizado: 29 Fevereiro 2016 | 08h 08

O segundo turno para definir o candidato do PSDB à maior prefeitura do País está agendado para 20 de março

Atualizado às 7h14 para correção de informações

Dos 6.216 votos, Doria teve 2.681 (43,13%), Matarazzo teve 2.045 (32,89%) e Trípoli 1.387 (22,31%)

Dos 6.216 votos, Doria teve 2.681 (43,13%), Matarazzo teve 2.045 (32,89%) e Trípoli 1.387 (22,31%)

São Paulo - O empresário João Doria, que é apoiado pelo governador Geraldo Alckmin, e o vereador Andrea Matarazzo, que tem como “padrinhos” o senador José Serra e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, foram os mais votados ontem no primeiro turno das prévias tucanas para escolher o candidato do partido a prefeito de São Paulo. Doria, que obteve 2.681 votos, e Matarazzo com 2.045 votos, vão se enfrentar no segundo turno da disputa, no dia 20 de março. A apuração da votação se estendeu até a madrugada desta segunda-feira, 29.

A votação, marcada por episódios de tumulto e agressões entre militantes dos pré-candidatos, escancarou as divisões internas da legenda, deixando claro que a disputa municipal foi contaminada pelo horizonte eleitoral de 2018 e mostrando que o PSDB paulistano terá sérias dificuldades pela frente.

O terceiro postulante, deputado federal Ricardo Tripoli, apoiado pelo deputado Bruno Covas e pelo ex-deputado José Aníbal, ficou em terceiro lugar com 1.387 votos. O resultado do primeiro turno, porém, não foi homologado porque há divergências sobre o resultado de algumas sessões eleitorais, onde ocorreram problemas com as urnas.

Prévias do PSDB em São Paulo
Felipe Rau/Estadão
Geraldo Alckmin e João Doria

Acompanhados por um séquito de assessores e aliados, o governador Geraldo Alckmin e e o empresário João Doria foram juntos a um colégio no Morumbi onde o governador votou. Em seguida foram ao Butantã, onde vota o empresário. "Sem demérito para os demais candidatos, o meu voto vai para o João Doria. Ele traz uma experiência do setor privado. São Paulo está precisando dar uma acelerada", disse Alckmin

Impugnação. A mobilização eleitoral, além das brigas de militantes, foi marcada também por trocas de acusações entre os políticos envolvidos na disputa. Após a votação, no fim do dia, aliados de Matarazzo e de Tripoli se uniram para tentar impugnar a pré-candidatura de Doria.

O ex-governador Alberto Goldman, que apoia Matarazzo, e Aníbal, que preside o Instituto Teotônio Vilela, enviaram à direção da legenda uma petição acusando Doria de “condutas ilegais” de propaganda eleitoral, desrespeito à Lei Cidade Limpa e “abuso de poder econômico”. Eles pedem que a inscrição de Doria na prévia do partido seja cancelada.

No pedido de impugnação de candidatura, a dupla diz que houve “nítida propaganda ilegal ostensiva, captação de sufrágio, abuso de poder econômico e transporte em massa de eleitores”.

Único dos três pré-candidatos presente na apuração – que aconteceu na Câmara Municipal –, Doria disse que o partido permitiu a prática de propaganda no dia da votação, inclusive com colocação de cavaletes.

O presidente do diretório municipal do PSDB, Mário Covas Neto, disse que avaliará o caso “no momento oportuno”.

‘Tapetão’. Em entrevista coletiva ao lado do deputado Silvio Torres, secretário-geral do PSDB, Doria acusou os adversários de tentarem usar o “tapetão” para vencer a disputa. “Mas isso não vai funcionar”, afirmou. Já na madrugada, Matarazzo respondeu afirmando que o empresário quer ganhar a eleição com “o poder econômico e na mão grande”, declaração que provocou um novo princípio de tumulto entre os militantes que acompanhavam a apuração na Câmara Municipal.

A “aliança” entre Tripoli e Matarazzo foi o último lance de uma sequência de choques entre as alas do PSDB. Pela manhã, o governador Geraldo Alckmin declarou pela primeira vez publicamente que apoia Doria nas prévias do PSDB. Acompanhados por um séquito de assessores e aliados, eles foram juntos a um colégio no Morumbi onde o governador votou. “Sem demérito para os demais candidatos, o meu voto vai para o João Doria. Ele traz uma experiência do setor privado. São Paulo está precisando dar uma acelerada”, disse Alckmin.

“É mais que um apoio formal, porque toda a estrutura do governo (estadual) está mobilizada para isso. De quem é o governo? De uma pessoa só ou do partido? Como é aceitável isso?", questionou Goldman.

A avaliação generalizada entre os tucanos é que o cenário se degradou a tal ponto que será impossível recompor a base da sigla para disputa de outubro. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso optou por se distanciar da polêmica e votou sozinho em Santa Cecília no fim da tarde. A desorganização do cadastro de eleitores do PSDB e problemas técnicos em diversos computadores fez com a apuração, que devia ter sido concluída às 18hs, entrasse pela madrugada.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX