Por Eduardo Campos, PT anula prévia do Recife

Reunida ontem em São Paulo, Executiva do partido invalidou resultado do domingo, desfavorável à aliança com o PSB do governador de PE

DAIENE CARDOSO , AGÊNCIA ESTADO, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2012 | 03h06

Em reunião de mais de três horas, a Executiva Nacional do PT decidiu anular ontem a prévia realizada no último domingo no Recife, em Pernambuco. Os dirigentes petistas marcaram nova consulta interna para 3 de junho, somente entre os pré-candidatos Maurício Rands e o atual prefeito João da Costa. O processo eleitoral será conduzido pelo Diretório Nacional da sigla.

Para que o PSB do governador Eduardo Campos apoie o pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, nas eleições municipais, caciques do PT, incluindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, trabalham para garantir a candidatura do deputado petista Maurício Rands no Recife, que tem a preferência do governador.

Na prévia realizada no último domingo, Rands perdeu para o atual prefeito João da Costa (PT). O imbróglio envolveu acusações de fraude e, por isso, o resultado da prévia não havia sido reconhecido pelo PT.

Apesar da anulação, a Executiva recomendou que os pré-candidatos busquem um acordo até o dia 3 de junho. Em nota divulgada no fim da tarde de ontem, o partido pede que eles acatem o resultado da prévia e apoiem o vencedor. "Foi feito um apelo para que procurássemos descansar os espíritos", contou Rands.

Também na nota, os dirigentes petistas negaram que o processo de disputa interna realizado no domingo tenha sido caracterizado como fraudulento. Segundo o texto, apenas "registraram-se algumas falhas". A manifestação foi comemorada pelo prefeito João da Costa, que venceu essa primeira disputa por 533 votos de vantagem.

João da Costa negou ainda que o processo de negociação com o PSB do governador Eduardo Campos tenha influenciado na decisão do PT de anular a prévia. "Não tem nenhuma interferência externa ao partido", ressaltou o atual prefeito.

"Vamos considerar as condições internas do PT porque a partir delas é que teremos condições de dialogar com os outros partidos", completou o presidente estadual da sigla, Pedro Eugênio.

O governador Eduardo Campos, por sua vez, disse que vai aguardar o resultado da nova prévia do PT para reunir os partidos aliados da Frente Popular - que inclui PT, PSB, PTB, PDT, PP, PV, PSC - em busca de um candidato único. A convicção do governador, que é também presidente nacional do seu partido, é a de que se sair com um candidato único, a Frente Popular vencerá a eleição da Prefeitura do Recife.

PSB. Para garantir o apoio do PSB a Fernando Haddad, a Executiva Nacional petista também decidiu ontem apoiar o pré-candidato Alexandre Cardoso (PSB) na disputa pela prefeitura de Duque de Caxias (RJ). Ter o apoio do PT na disputa eleitoral na cidade fluminense, assim como no município de Mossoró (RN), era a precondição imposta pelo PSB para compor chapa na capital paulista.

Em Mossoró, o PT apoiará a candidata Larissa Rosado (PSB). Os petistas vão indicar o vice candidato nas duas chapas.

Já em São Paulo, apesar da predisposição de Eduardo Campos em apoiar o PT, a Executiva municipal da sigla pretende se reunir hoje para discutir a situação. Um caminho seria uma candidatura própria ou apoiar uma terceira via, já que coligação com o PSDB, de José Serra, já estaria descartada. / COLABORARAM ANGELA LACERDA e JULIA DUAILIBI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.