Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Planalto procura estratégia para separar organização da Copa do fiasco em campo

Eleições

Planalto procura estratégia para separar organização da Copa do fiasco em campo

Dilma tenta agora emplacar clima de 'volta por cima' e estuda como manter dividendos do 'sucesso do torneio'

0

VERA ROSA E TÂNIA MONTEIRO,
O Estado de S.Paulo

10 Julho 2014 | 02h02

Brasília - Um dia após a humilhante derrota do Brasil para a Alemanha, a presidente Dilma Rousseff ajustou o discurso para neutralizar o "efeito Copa" sobre a campanha da reeleição. Com medo de que o mau humor com a seleção respingue na campanha, a presidente e sua equipe tentam separar o "joio do trigo", concentrando as energias na defesa da "administração" do Mundial.

A ordem no Palácio do Planalto é "virar a página" do que Dilma definiu como "pesadelo" e baixar o tom do mote "Copa das Copas", com o qual o governo pretendia bater o bumbo na campanha. No lugar do ufanismo, entra agora a retórica da "volta por cima" e da capacidade de superação do brasileiro nas adversidades, além da organização "impecável" do evento.

A equipe da campanha dá como certo que Dilma será hostilizada na final da Copa, no domingo, quando a presidente entregará a taça ao campeão, no Maracanã. Ministros e coordenadores da campanha petista acreditam que o "efeito Copa" não dure até a eleição, em outubro. O temor, agora, é que o fim antecipado da catarse coletiva alimente novos protestos, que podem ser disseminados e atingir "tudo o que está aí", mirando em Dilma e na alta dos preços - e consequentemente nos índices de inflação - por causa da Copa.

"Quem tentar transferir para o campo da política eleitoral uma derrota no futebol dará um tiro no pé", disse o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que assistiu ao jogo do Brasil em Belo Horizonte. "A politização é simplesmente ridícula." Para Cardozo, a goleada sofrida pelo Brasil "não muda em nada" o caráter da Copa, nem da segurança e da organização do evento, "que estão sendo aplaudidos pelo mundo inteiro".

O chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, que na terça-feira admitiu a preocupação do governo com a possibilidade de volta das ações violentas dos black blocs, ontem disse que "o desastre com a seleção brasileira não é o desastre com a Copa". "Precisamos cuidar para que tudo continue dando certo."

Na rede. A coordenação da campanha de Dilma identificou nas redes sociais "perfis falsos" de apoiadores dos candidatos Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) associando a presidente ao vexame do Brasil diante da Alemanha, para desconstruir a imagem de "gerente" que a petista tenta apresentar. Vinte e quatro horas antes do fracasso da seleção, Dilma deu estocadas nos adversários e disse, em conversa com internautas, que a Copa era uma "belezura", para "azar dos urubus".

"Do ponto de vista de organização, a Copa é um sucesso e isso é inegável", afirmou o ministro de Relações Institucionais, Ricardo Berzoini. "O Brasil sofreu uma derrota absolutamente inesperada, que entristeceu todos nós, e quem quiser fazer proselitismo político com isso terá de enfrentar o julgamento do eleitor."

Berzoini se reuniu ontem com o presidente do PT, Rui Falcão, coordenador da campanha de Dilma. Mais tarde, Falcão conversou com o jornalista Franklin Martins, responsável pelo monitoramento das redes sociais. O governo e o comitê da campanha estão atônitos com o fiasco da seleção e avaliam qual a melhor estratégia a seguir para blindar a presidente.

Uma possibilidade será apostar na agenda "positiva" dos próximos dias. Além de almoçar com chefes de Estado que estarão no Rio, no domingo, para a final da Copa, Dilma vai receber 21 presidentes na próxima semana. O comitê da campanha quer aproveitar esses eventos para mostrar a presidente como "estadista".

Palpite errado. Em conversa com o fundador da Amil Assistência Médica Internacional, Edson Bueno, ontem à tarde, Dilma não escondeu o abatimento com a derrota da seleção. "Mas ela foi para a guerra e é uma pessoa muito forte", disse Bueno. "Ela falou para mim: 'Temos de ir em frente, temos de motivar o País'."

A expectativa de Dilma, segundo Bueno, era de que o Brasil poderia enfrentar a Argentina na briga pelo terceiro lugar, o que não se concretizou - horas depois, a equipe de Messi se classificou para a final. "Nós discutimos o seguinte: se for contra a Argentina, o negócio é ganhar de uns 4 a 0, porque a gente pelo menos fica um pouco melhor", afirmou o empresário.

Mais conteúdo sobre: