Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

'Ou eu estou louco ou quem me condenou está louco', diz Lula

Em caravana pelo Sul, ex-presidente diz estar indignado com processo da Lava Jato

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

27 Março 2018 | 17h36

Durante passagem por Quedas do Iguaçu (PR), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teve seu último recurso na segunda instância negado ontem, alegou mais uma vez sua inocência no processo da Lava Jato. "Ou eu estou louco ou quem me condenou está louco", disse Lula, ao falar sobre sua condenação, conforme vídeo transmitido pelo PT nas redes sociais.

Ele afirmou que está "indignado" com o processo e voltou a apelar para instâncias superiores. "A minha inocência eu já provei, eu quero que eles provem a minha culpa e a única coisa que eu peço é que numa instância superior eles julguem o mérito do processo", disse.

+ Opinião: O preço do desastre petista

+ Eliane Cantanhêde: Corretivo no elemento?

O pedido de habeas corpus preventivo do petista será julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no próximo dia 4. Até lá, Lula não poderá ser preso, conforme liminar concedida pela corte na semana passada. O petista repetiu que quem o condena está com medo de ele ser eleito no primeiro turno das eleições deste ano.

Com a condenação em segunda instância, uma candidatura do ex-presidente pode ser impugnada pela Justiça Eleitoral com base na Lei da Ficha Limpa. O PT pretende registrá-lo como candidato no dia 15 de agosto. "Podem estar certos de uma coisa: eu vou voltar a presidir este país", declarou Lula.

+ Ciro critica prisão em 2ª instância e elogia STF sobre HC preventivo

+ Entidades de imprensa repudiam e pedem punição de agressor de repórter

O petista classificou como "barbárie" e "selvageria" os protestos que enfrenta durante sua caravana pelo Sul do País. Ele não fez nenhuma menção à agressão sofrida por um repórter do jornal O Globo na segunda-feira, 26. O jornalista foi atingido com um soco por um segurança da caravana em Francisco Beltrão (PR).

No discurso, Lula citou casos de agressão que teriam ocorrido contra militantes favoráveis ao petista. "Todo o qualquer protesto se aceita, o que não se aceita é a violência, é as pessoas serem bárbaras no trato de uma questão política", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.