1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Eleições 2014

O vexame da seleção do Brasil na Copa afeta a eleição presidencial?

O Estado de S.Paulo

10 Julho 2014 | 02h 02

Sim

Como sociólogo, sei que tudo está relacionado com tudo - tudo o que ocorre na vida social, mental, na paisagem simbólica, está interligado - e não aceito o dogma estabelecido por alguns marqueteiros e políticos segundo o qual essas coisas não se misturam. Um ganhou, outro perdeu, há sempre muitas combinações possíveis. E o que aconteceu ontem foi um suicídio do time brasileiro, que simplesmente não jogou, e o impacto disso existirá.

O que acho que vai ser discutido na sociedade é, em suma, tirar o futebol da ilha da fantasia. Esse processo começou antes da Copa: vai se gastar dinheiro em estádio ou em hospital? Faremos na educação, na segurança, o mesmo esforço que fazemos na seleção? Cobraremos esses 7 a 1 que nos impôs a Alemanha na vida política, cobraremos dos políticos com a mesma veemência? Parece-me inevitável que as perguntas serão mais incisivas - mas é claro que temos de colocar isso nas nossas pautas. Com a pior derrota da história, o futebol coloca em foco, novamente, os outros temas. O País tem tudo pra fazer esse deslizamento - das exigências do futebol para o jogo real. Isso é crucial pro Brasil poder crescer.

A copa verdadeira, no mundo, é a copa da democracia, a da igualdade, da eficiência dos serviços, que nós não temos. Então esses 7 a 1, nesse sentido, são superbenéficos. Claro que essas cobranças têm de ser feitas na direção certa, e há um grande peso, nessa missão, para a mídia.

Um exemplo é quando o David Luiz afirma, no final, que queria muito dar essa alegria aos brasileiros. Ora, eu não quero alegria nenhuma dada por ele! Não quero o populismo do David Luiz, quero a alegria que eu mesmo posso me dar! Que existe uma predisposição como nunca existiu antes, pra terminar esse ciclo de futebol que aliena, não tenha dúvida. O momento é esse.

ROBERTO DAMATTA É ESPECIALISTA EM ANTROPOLOGIA SOCIAL

Não

Acredito que haverá um impacto imediato e provavelmente as pesquisas voltarão ao status de junho - pois as que vieram depois mostravam Dilma Rousseff melhor. Como a população está hoje mais pessimista, negativista, talvez o mau resultado da terça-feira aponte uma piora agora. Mas a médio prazo, e às vésperas da eleição, isso estará totalmente superado.

Já faz alguns meses que a perspectiva dos brasileiros anda muito negativa - só que ela não se construiu agora, em decorrência dos dramas do futebol. Percebe-se, desde o ano passado, um desgaste muito grande porque o eleitor mudou. Está mais exigente, não é mais o cidadão despido de uma avaliação, seja de consumidor ou de contribuinte. Ele quer fazer valer a ideia de que paga impostos e que pode cobrar por isso.

Esse fenômeno não tem relação específica com resultados de futebol, vem de mais longe e quando o eleitor usa uma metáfora futebolística, o "Padrão Fifa", ele se refere a hospitais que funcionem, a serviços de qualidade. Esse mal-estar pode ter qualquer metáfora, mas tem a ver com prestação de serviço. O patamar de demanda de mudanças na sociedade já está dado.

E mesmo que a seleção estivesse bem, e ganhasse a Copa, isso não muda o fato de que a campanha eleitoral será complicada - mas, por razões de outra ordem. Nada a ver com anti-Dilma ou anti-Aécio, mas com a realidade que o brasileiro está vendo, e que mostra tendência a piorar.

No curto prazo, partidos de oposição vão, sim, tirar algumas casquinhas. Mas isso não é estratégico, é tático. Estratégias para valer terão de ser mais profundas. E o esforço que a oposição terá de fazer para articular o desejo de mudança é o mesmo que a situação terá de fazer para justificar a continuidade.

FÁTIMA PACHECO JORDÃO É SOCIÓLOGA, ESPECIALISTA EM OPINIÃO PÚBLICA E DIRETORA DA FATO, PESQUISA E JORNALISMO

Eleições 2014