1. Usuário
Assine o Estadão
assine

MP analisa vídeos nos quais Arruda afirma ter votos do TSE favoráveis a sua candidatura

Mariângela Gallucci - O Estado de S. Paulo

26 Agosto 2014 | 18h 44

Na conversa, ele diz que Fernando Henrique Cardoso estaria trabalhando para convencer o ministro Gilmar Mendes a liberá-lo para disputar um novo mandato de governador. Ex-presidente nega

BRASÍLIA - O Ministério Público analisa vídeos nos quais o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda afirma ter votos de ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) favoráveis à sua candidatura, conforme revelou o site da revista Época nesta terça-feira, 26. Na conversa, ele diz que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso estaria trabalhando para convencer o ministro Gilmar Mendes, que atua no TSE, a liberá-lo para disputar um novo mandato de governador.

Está programado para a noite desta terça-feira, 26, o julgamento no qual o TSE analisará um recurso de Arruda contra decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Distrito Federal que barrou a sua candidatura ao governo. Para os juízes do TRE, Arruda não pode concorrer ao governo porque em 9 de julho o Tribunal de Justiça (TJ) do DF confirmou uma condenação dele por improbidade administrativa.

André Dusek/Estadão
Em 2010, Arruda se tornou o primeiro governador preso no exercício do cargo no país

Pela Lei da Ficha Limpa, políticos condenados por tribunais não podem se candidatar. No entanto, Arruda sustenta que a confirmação da condenação aconteceu cinco dias após ele ter pedido o registro da candidatura. Segundo ele, as condições de elegibilidade devem ser verificadas no dia 4 de julho, quando o registro foi solicitado.

Respostas. Em nota, Fernando confirmou que Arruda falou com ele sobre o recurso que será julgado pelo TSE. "Queria que o julgamento ocorresse a tempo de, se favorável, concorrer ao governo de Brasília. Como sempre, sou muito cuidadoso nessas matérias. Apenas indaguei o ministro Gilmar se havia chance de isso ocorrer. Fui informado de que haveria um julgamento anterior que pré-julgaria o caso. Nada mais pedi a ninguém nem nada mais me foi dito", disse.

A reportagem do Estado procurou Gilmar Mendes, mas ele disse que não se pronunciaria sobre o caso. O julgamento do recurso de Arruda não será o primeiro no qual Mendes se posicionará sobre a Lei da Ficha Limpa. O ministro tem entendido que as condições de elegibilidade devem ser verificadas no momento em que o político pede o registro da candidatura. A reportagem telefonou para o gabinete de João Otávio de Noronha, que também foi citado por Arruda na gravação. Mas, de acordo com assessores, ele não estava. Até a publicação deste texto, Noronha não havia ligado de volta.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo