1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Metrô suspende contratos de R$ 2,5 bi para reformar trens

O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2014 | 02h 01

Ministério Público apura indícios de sobrepreço em acordos com a Siemens para composições das linhas 1-Azul e 3-Vermelha

Em acordo com o Ministério Público, o Metrô de São Paulo decidiu suspender por 90 dias os contratos de reformas de 98 trens que operam em suas linhas 1 (Azul) e 3 (Vermelha). Os contratos são investigados em inquérito civil público sob suspeita de superfaturamento e de terem sido fechados após formação de cartel entre empresas do setor metroferroviário.

Do ponto de vista prático, o Metrô vai parar de enviar os trens para a reforma. A companhia estatal não informou ontem quantas composições já foram reformadas nos acordos.

Assinados entre 2008 e 2010, os dez contratos somam R$ 2,5 bilhões em valores atualizados.

Eles estão na mira do Ministério Público desde 2012, quando o deputado estadual Simão Pedro encaminhou à promotoria representação na qual denunciava que o Metrô pagara por trens reformados quase o valor de um trem novo.

Posteriormente, em carta que viria a ser anexada ao inquérito federal que apura o cartel dos trens, o ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer afirmou que houve formação de cartel também nesses contratos, além dos seis autodenunciados pela multinacional alemã ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O Tribunal de Contas do Estado, que ainda não terminou de analisar os contratos, em sua única avaliação até o momento afirmou que "não se verificou grande competitividade" na concorrência. Quatro consórcios se apresentaram, e cada um ficou com um dos quatro lotes da reforma - houve uma única proposta por lote.

"Não houve propriamente uma disputa licitatória, mas uma atividade de consorciamento", sustentou em 2010 o então conselheiro Eduardo Bittencourt, hoje aposentado.

O promotor Marcelo Milanï, que investiga o caso, calcula em R$ 875 milhões o valor do superfaturamento dos contratos.

Em nota, o Metrô afirmou que "embora não tenha constatado indícios de irregularidades nestes contratos, reiterou à promotoria com esta parceria sua disposição em colaborar com as investigações e exigir o ressarcimento de eventuais prejuízos aos cofres públicos.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo