1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Eleições 2014

Melhor pesquisa é a do dia 5 de outubro, afirma Aécio

Wladimir D'Andrade - O Estado de S. Paulo

28 Agosto 2014 | 09h 37

Candidato do PSDB minimiza desempenho de Marina nas pesquisas de intenção de voto e diz que sua proposta de governo 'não é improvisada'

Atualizado às 11h20

São Paulo - O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, minimizou o crescimento da adversária Marina Silva (PSB) na corrida eleitoral ao afirmar que a campanha está em aberto e que no dia da eleição o País saberá o real desejo do eleitor. "A melhor pesquisa eleitoral é a do dia 5 de outubro", afirmou, durante visita nesta quinta-feira, 28, a um canteiro de obras de um condomínio na zona oeste de São Paulo. O ex-governador José Serra e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, também participaram da agenda de campanha.

De acordo duas pesquisas de intenção de voto divulgadas nesta semana, a candidata do PSB aparece no segundo lugar. Levantamento Ibope, contratado pelo Estado e pela TV Globo, mostrou Marina com 29%, 10 pontos a frente de Aécio. Nessa terça, 26, o tucano disse que em até 20 dias voltará a ocupar o segundo lugar isolado nas pesquisas.

Tucano questionou novamente o posicionamento de Marina. Sem falar o nome da adversária do PSB, mas se referindo a ela como "terceira alternativa" na campanha, Aécio disse não entender "a direção em que (a candidatura de Marina) quer levar o Brasil". "Outra alternativa surge agora, e ela tem a oportunidade de mostrar suas propostas, de dizer o que pretende fazer e com quem fazer", disse Aécio.

Para Aécio, a morte do ex-governador Eduardo Campos alterou completamente o cenário eleitoral, mas entre as três principais candidaturas, a sua é a que representa mais experiência. "O Brasil não é para principiantes, mas para gente competente e experiente, e nós temos os melhores quadros", afirmou. "Nossa proposta não é improvisada", disse o candidato do PSDB, que tem focado em seus ataques o fato de Marina não ter experiência em cargos públicos eletivos.

'Esperança'. Durante a agenda de campanha de Aécio, Serra e Alckmin pediram aos trabalhadores da construção civil que mantenham a esperança em torno da vitória do candidato à Presidência. Os tucanos disseram que há muita campanha pela frente e que uma vitória de Aécio na disputa para presidente depende do esforço da militância.

Em cima de um carro de som estacionado em frente ao canteiro de obras de um condomínio na zona oeste da Capital paulista, Serra, também candidato ao Senado, relembrou viradas de posição em campanhas eleitorais. E chamou a militância para trabalhar pela eleição de Aécio Neves. "O resultado depende de nós", afirmou Serra, que concorre neste ano ao Senado. "Muita coisa vai acontecer", completou. Ao lado de Serra estavam, além de Aécio, o senador Aloysio Nunes (PSDB), o deputado e presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva (SD) e Alckmin, que disputa a reeleição no Estado.

O governador reforçou o discurso de Serra. "Política é esperança", disse Alckmin. "E o nome da esperança é Aécio Neves", disse, ao final de um discurso repleto de críticas ao baixo crescimento do País no governo da presidente, e candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT). Correligionários presentes no ato de hoje também convocaram a militância a buscar os votos de eleitores que atualmente votariam em branco ou nulo.

Eleições 2014