Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Investigação do cartel de trens pode ter acordo em abril

Eleições

Investigação do cartel de trens pode ter acordo em abril

Empresas contratadas pelo Metrô para reforma de trens, cujo negócio causou prejuízo de R$ 800 milhões, devem ressarcir governo

0

Caio do Valle,
O Estado de S.Paulo- Atualizado às 17h50

25 Março 2014 | 02h07

O promotor de Justiça Marcelo Milani disse ontem que parte dos consórcios contratados pelo Metrô de São Paulo para a reforma de 98 trens poderá assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) em abril e ressarcir os cofres da empresa, controlada pelo governo do Estado. Com isso, dezenas de milhões de reais devem ser devolvidos em forma de multa ao Metrô - o valor ainda é calculado.

Os contratos assinados para a reforma das Linhas 1-Azul e 3-Vermelha causaram ao Metrô prejuízo de R$ 800 milhões. A reforma foi contratada em 2008 e 2009, na gestão José Serra (PSDB), e mantida pelo atual governo tucano Geraldo Alckmin.

Dos quatro consórcios criados para a reforma, dois estão em vias de assinar o termo. O que está em processo mais adiantado é o encabeçado pela empresa T'Trans. O outro, em fase de tratativas, tem a Bombardier na dianteira. Milani disse que os outros consórcios, ambos liderados pela francesa Alstom, não estariam dispostos a assinar o termo.

Em janeiro, o promotor recomendou a suspensão da reforma dos trens por 90 dias, para investigar os contratos. Assim, nenhum trem poderia ser encaminhado para o serviço. Mas, segundo Milani, diante da iminente assinatura do termo com o consórcio da T'Trans, uma composição foi liberada para a modernização.

A Bombardier informou que não está em tratativas avançadas com o Ministério Público Estadual acerca do acordo proposto pelo Promotor Marcelo Milani. A empresa afirma ainda que está analisando os termos da proposta e se comprometeu com o MPE a enviar uma resposta dentro de um mês.

Mais conteúdo sobre: