1. Usuário
Assine o Estadão
assine
cartel de trens

Investigação do cartel de trens pode ter acordo em abril

Caio do Valle - O Estado de S.Paulo- Atualizado às 17h50

25 Março 2014 | 02h 07

Empresas contratadas pelo Metrô para reforma de trens, cujo negócio causou prejuízo de R$ 800 milhões, devem ressarcir governo

O promotor de Justiça Marcelo Milani disse ontem que parte dos consórcios contratados pelo Metrô de São Paulo para a reforma de 98 trens poderá assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) em abril e ressarcir os cofres da empresa, controlada pelo governo do Estado. Com isso, dezenas de milhões de reais devem ser devolvidos em forma de multa ao Metrô - o valor ainda é calculado.

Os contratos assinados para a reforma das Linhas 1-Azul e 3-Vermelha causaram ao Metrô prejuízo de R$ 800 milhões. A reforma foi contratada em 2008 e 2009, na gestão José Serra (PSDB), e mantida pelo atual governo tucano Geraldo Alckmin.

Dos quatro consórcios criados para a reforma, dois estão em vias de assinar o termo. O que está em processo mais adiantado é o encabeçado pela empresa T'Trans. O outro, em fase de tratativas, tem a Bombardier na dianteira. Milani disse que os outros consórcios, ambos liderados pela francesa Alstom, não estariam dispostos a assinar o termo.

Em janeiro, o promotor recomendou a suspensão da reforma dos trens por 90 dias, para investigar os contratos. Assim, nenhum trem poderia ser encaminhado para o serviço. Mas, segundo Milani, diante da iminente assinatura do termo com o consórcio da T'Trans, uma composição foi liberada para a modernização.

A Bombardier informou que não está em tratativas avançadas com o Ministério Público Estadual acerca do acordo proposto pelo Promotor Marcelo Milani. A empresa afirma ainda que está analisando os termos da proposta e se comprometeu com o MPE a enviar uma resposta dentro de um mês.

cartel de trens