1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Funai confirma morte de índio em conflito com a PF

FÁTIMA LESSA, ESPECIAL PARA O ESTADO / CUIABÁ , VANNILDO MENDES / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2012 | 02h 02

Segundo órgão, um mundurucu morreu durante ação policial contra extração ilegal de ouro em MT; polícia suspende operação e apura se houve excessos

A Polícia Federal decidiu ontem suspender a Operação Eldorado, deflagrada na terça-feira para combater a extração ilegal de ouro em terras indígenas dos caiabis e mundurucus no norte de Mato Grosso. A coordenação da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Alta Floresta, a 812 quilômetros de Cuiabá, confirmou a morte de um índio mundurucu durante conflito com policiais federais, anteontem, na aldeia Teles Pires.

A operação abrangeu uma região que inclui o norte de Mato Grosso (Matupá e Alta Floresta), Pará e Rondônia. Tinha como foco, também, combater a comercialização fraudulenta do ouro no sistema financeiro.

A PF iniciou ontem mesmo diligências para localizar o corpo do índio - que, segundo fontes de sua tribo, teria sido visto boiando em um rio e recolhido pelos próprios indígenas. Além disso, a PF quer recolher depoimentos de todos os lados para apurar se houve excesso de parte dos policiais e se cabe abrir processo disciplinar interno.

Em Belém, o Ministério Público Federal do Pará encaminhou ofício à presidente da Funai, Marta Maria do Amaral Azevedo, e ao superintendente da Polícia Federal em Mato Grosso, Cesar Augusto Martinez, solicitando informações sobre o episódio.

O levantamento da PF indica que 19 índios foram detidos - dois deles, feridos, levados para hospitais em Alta Floresta, e outros 17 conduzidos à PF em Sinop. Lá, deverão prestar depoimento ao delegado federal Antônio Carlos Moriel Sanchez, que comandou a ação e foi atingido de raspão por uma flecha.

Batalha. O confronto, segundo a PF, começou quando os policiais começaram a destruir dragas que os índios usavam na extração ilegal do ouro. O cacique da aldeia Papagaio, José Emiliano Krixi Mundurucu, o Camaleão, atacou o comandante da ação com uma bordunada na cabeça e cerca de 100 índios mundurucus foram ao ataque armados de arcos, flechas, bordunas e facões. A PF dispunha de helicóptero e lanchas, além das armas. A briga terminou com nove feridos: seis índios, um dos quais Camaleão, e três policiais, que incluem um integrante da Força Nacional de Segurança.

Segundo o coordenador da Funai em Alta Floresta, Clóvis Nunes, os índios relataram o momento em que foi morto o integrante da aldeia mundurucu. "O pai viu no momento em que o filho foi atingido por disparos de arma de fogo quando estava no Rio Teles Pires e sumiu", afirmou Nunes. O corpo, encontrado boiando em um rio ontem cedo, teria sido recolhido pelos índios.

As tribos da etnia mundurucu teriam sido incentivadas, diz a PF, por caciques envolvidos na extração de ouro a reagir e enfrentar a polícia, que ali chegou para interromper o garimpo.

O líder da área, Camaleão, é considerado a principal liderança indígena na região. Segundo a polícia, "ele é também proprietário de uma das balsas utilizadas para extração de ouro" e atua como "liderança defensora das atividades de exploração de ouro na área, além de executar diretamente os crimes apurados".

  • Tags: