André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Eunício diz achar difícil MDB ter candidatura própria à Presidência

Nos bastidores, grupo trata como certa a desistência de Michel Temer da disputa eleitoral

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

10 Maio 2018 | 18h02

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), afirmou ao Broadcast Político que considera "difícil" o partido ter candidatura própria à Presidência da República. Segundo Eunício, o presidente Michel Temer o deixou "completamente liberado" para fazer coligações no Estado. Nesta quinta-feira, 10, os dois emedebistas se reuniram no Palácio do Planalto para tratar de votações no Congresso.

+ Acho difícil uma candidatura única de centro prosperar, diz Temer ao 'Broadcast Político'

Na quarta-feira, 9, caciques do MDB como o líder do governo no Senado, Romero Jucá (RR), o senador Renan Calheiros (AL) e Eduardo Braga (AM), tiveram um encontro na casa de Eunício, em Brasília, para tratar da eleição.

Nos bastidores, o grupo já trata como certa a desistência de Temer da disputa eleitoral, que só deve ser anunciada oficialmente no final do mês, e se preocupa agora com uma eventual aliança nacional, que pode atrapalhar as coligações nos Estados. Renan, por exemplo, defende a aliados que o MDB não apoie ninguém oficialmente para a Presidência.

+ ‘Está na mesa o MDB não ter candidato’, diz Jucá

Em entrevista ao Broadcast, Jucá indicou nesta quarta-feira, 9, que o presidente Temer não será mesmo candidato à reeleição. O senador disse que o principal objetivo do partido é eleger “a maior bancada da Câmara e do Senado”. Ele também afirmou que, se não for candidato, Temer “não estará na eleição”, ou seja, não atuará na campanha.

+ Alckmin diz que não discute defender legado de Temer por apoio do MDB

No início da semana, a líder do MDB no Senado, Simone Tebet (MS), declarou que o presidente Temer e o ex-ministro Henrique Meirelles só deveriam entrar na disputa se tiverem chances de chegar ao segundo turno, porém ambos não ultrapassam 2% das intenções de voto. Ela avaliou que “não adianta forçar uma candidatura e arrastar consigo para baixo, puxar, diminuir a bancada no Congresso e candidatos a governador”.

Apesar disso, Temer e Meirelles mantêm oficialmente as suas pré-candidaturas. Mais cedo, o presidente da República disse que acha difícil uma candidatura única de centro prosperar e não descartou nenhuma possibilidade. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.