1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Empresa de ex-ministro pagou R$ 4,3 milhões a doleiro preso pela PF

Lu Aiko Otta/Brasília e Fausto Macedo/São Paulo - O Estado de S.Paulo

10 Abril 2014 | 02h 07

Investminas, de Pedro Paulo Leoni Ramos, pagou para consultoria que seria de Youssef

Documentos apreendidos pela Polícia Federal na Operação Lava Jato mostram que a Investminas, empresa controlada por Pedro Paulo Leoni Ramos, secretário de Assuntos Estratégicos no governo de Fernando Collor (1990-1992), fez um pagamento de R$ 4,3 milhões para a consultoria MO, que seria uma espécie de central de distribuição de valores para políticos ligada ao doleiro Alberto Youssef.

O relatório da PF reúne indícios de que Youssef operava uma engrenagem em que, de um lado, eram coletados recursos de fornecedores da Petrobrás. O dinheiro entraria, entre outras formas, como contratação de consultorias da MO. De outro lado, o dinheiro era transferido pelo doleiro a políticos e a partidos.

A Investminas é uma controlada da GPI Participações e Investimentos S.A., presidida por Leoni Ramos, conforme mostra balanço da empresa publicado no ano passado. A empresa arrematou, com Furnas, a concessão da hidrelétrica de Três Irmãos - cujo contrato teve a assinatura suspensa por determinação do Tribunal de Contas da União. A PF suspeita de uma sociedade, no âmbito da Labogen, entre a GPI, o doleiro e a Linear Participações e Incorporações Ltda. O laboratório teria como foco o fornecimento de produtos químicos para a Petrobrás e medicamentos para o Ministério da Saúde.

Questionada, a GPI, controladora da Investminas, informou que "a MO Consultoria realizou um serviço mediante um contrato cujo objeto foi cumprido." Segundo a empresa, trata-se de um contrato legal.

A GPI informou que, de fato, recebeu uma proposta de negócio em março de 2013. Diz que na época se interessou pelo negócio e "assinou um contrato de promessa de compra e venda". Pelo acordo, a GPI ficaria encarregada de duas ações. A primeira, a implantação física da Labogen, um investimento de R$ 1,958 milhão que foi realizado e que ela espera ter de volta. A outra, comprar parte da Labogen, o que não ocorreu. A nota não explica por que o diretor da GPI João Mauro Boschiero aparece, numa troca de e-mails interceptada pela PF, pedindo a dois executivos da Labogen que deletem mensagens, acrescentando que "as citações que foram feitas derrubam nosso projeto".

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo