1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Entrevista.

Líder do PMDB se diz 'injustiçado' e afirma que Dilma pode novamente ter de enfrentar discussão do aborto na campanha

Embate pode criar ‘anticabos eleitorais’, afirma pivô da crise

  • Tags:

ELIZABETH LOPES

15 Março 2014 | 02h 12

Pivô do tensionamento entre o Palácio do Planalto e a base aliada no Congresso, o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), acredita que o tema do aborto volte a surgir na campanha presidencial. O peemedebista diz ter ajudado a então candidata Dilma Rousseff, em 2010, a enfrentar a resistência dos evangélicos à petista, tida como favorável à interrupção da gravidez indesejada.

Quatro anos depois, porém, Cunha afirma se sentir "injustiçado" e "demonizado" pela crise do governo com os parlamentares. "Temo que toda essa situação de embate esteja produzindo os 'anticabos' eleitorais, que não jogam a favor, mas contra."

Em 2010, Dilma divulgou uma carta com compromissos a favor da vida e contra o aborto...

Fui eu quem pediu para ela fazer essa carta.

Por que isso foi necessário?

Houve um evento reunindo várias lideranças e a Dilma também foi. Nesta reunião, a pedido do (hoje ministro) Gilberto Carvalho, levantei a questão de que não adiantava apenas fazer discurso, pois havia um descrédito grande junto às igrejas com a posição dela e seria necessário firmar um documento. Isso daria credibilidade. Foi aí que surgiu o documento.

O deputado Gabriel Chalita (PMDB-SP) acabou tido como mentor de Dilma no episódio.

Chalita fez a defesa na Igreja Católica, tinha glamour porque estava na televisão, mas no meio evangélico quem fez a defesa de Dilma fui eu. Por minha intervenção, ela assinou a carta (divulgada 15 dias antes do segundo turno, na qual a petista afirmava ser pessoalmente contra o aborto e se comprometia a não alterar a legislação sobre o assunto).

Como o sr. se sente neste embate com o governo?

Eu a ajudei na campanha e ajudei muito o seu governo. Como líder, fui para embates a favor de Dilma em votações, a ponto de, no coquetel de Natal que ela ofereceu no Alvorada, ela reconhecer e agradecer minha ajuda. Depois, sou agredido pelo presidente do PT (Rui Falcão), aí eu reajo e sou demonizado.

O que o transformou de aliado de peso do governo em alguém que deve ser isolado?

A pergunta que todos me fazem é a mesma. Não sei, talvez eles quisessem fazer uma contenda política e eu fui o escolhido.

O sr. se sentiu injustiçado?

Sim, mas estamos habituados a isso. Política é isso mesmo, uma série de injustiças. Mas tem que saber dar a volta por cima. Vou agir e reagir em função dos fatos.

O sr. acredita que a polêmica do aborto voltará neste ano?

Essa polêmica do aborto deverá estar presente e isso poderá ser explorado novamente nesta campanha. Dilma não descumpriu a palavra dela, pois não propôs o projeto (que permite a distribuição da pílula do dia seguinte pelo SUS para vítimas de estupro, sancionado em agosto pela presidente). Se ela se mantiver no compromisso, não tenho dificuldade em dizer que ela cumpriu seu compromisso. Contudo, ela poderia não ter sancionado este projeto. Ficou uma polêmica presente (com a sanção do texto na íntegra, sem as alterações defendidas pela bancada evangélica), e isso pode ser explorado nesta campanha. Não tenho dúvidas de que pode.

Mas o sr. pretende defendê-la novamente entre o eleitorado evangélico, se for preciso?

Eu sou um homem fiel ao meu partido, tenho a fidelidade como princípio. Mas é claro que empenho e dedicação vão muito em função da sua motivação pelo outro, com base nas causas que defende. Temo que toda essa situação de embate esteja produzindo os 'anticabos' eleitorais, que não jogam a favor, mas contra, numa campanha negativa.

  • Tags: