1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Em entrevista a blogueiros, Dilma defende regulação da mídia

- Atualizado: 26 Setembro 2014 | 22h 17

Candidata à reeleição deixou claro que é a favor de 'regulação econômica' e não de conteúdo

De acordo com a candidata, há uma demanda da sociedade para a regulação do setor que, "como qualquer outro, tem de ser regulado"
De acordo com a candidata, há uma demanda da sociedade para a regulação do setor que, "como qualquer outro, tem de ser regulado"

Atualizado às 22h17

Brasília - A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira, 26, que, caso seja reeleita, em seu segundo mandato vai defender a “regulação econômica” dos meios de comunicação. Ela negou que a medida seja “bolivarianista” ou que se destine a fazer controle de conteúdo. O objetivo, prosseguiu, será evitar a formação de monopólios e oligopólios no setor. 

“A regulação tem uma base que é a econômica, pois onde há concentração de poder econômico dificilmente haverá relações democráticas, em qualquer área. Não há por que com a comunicação ser diferente”, afirmou a presidente durante uma entrevista com blogueiros no Palácio da Alvorada. 

Dilma argumentou que a bandeira que pretende abraçar em seu próximo governo “não tem nada de bolivariano” e que não se trata de controle de conteúdo. “Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Controle do conteúdo é típico de país ditatorial, não é de país democrático”.

“Vamos impedir que relações oligopólicas se estabeleçam e se instalem e as existentes têm de ser modificadas. É óbvio que não tem nada de bolivariano nisso”, acrescentou. 

A regulamentação dos meios de comunicação é uma bandeira do PT, partido de Dilma. O tema chegou a constar nas diretrizes do partido para o programa de governo da reeleição, mas foi retirado do documento final por pressão de várias legendas aliadas. 

O ministro da Secretaria de Comunicação Social do governo Lula, Franklin Martins, chegou a elaborar um projeto sobre o tema, mas ele foi engavetado no início do governo Dilma. Para alguns setores, a regulamentação da mídia proposta pelo PT pode configurar uma tentativa de controlar a imprensa. 

O modelo de “regulação econômica” defendido ontem por Dilma deve servir também, segundo ela, para estimular a regionalização da produção de conteúdo. “Sou a favor da exigência para ter conteúdo regional e diversidade cultural”, afirmou. Para a presidente, “a mídia oligopolizada também não dá conta de todo o potencial de mercado que temos”.

Preocupada com o impacto das denúncias envolvendo a Petrobrás, Dilma também prometeu lançar, se reeleita, um pacote de medidas anticorrupção. Entre as propostas, está a criminalização do “caixa 2”, que hoje é uma contravenção penal. “No meu segundo mandato, uma das coisas que eu quero atacar é a impunidade”, disse no encontro. “Tem de transformar a prática de caixa 2 em crime”.

Ressaltando que está preocupada com o combate à corrupção, adiantou que apoiará a aprovação, pelo Congresso, de uma lei que puna agentes públicos que tenham enriquecido sem justificativa ou que não demonstrem a origem de ganhos patrimoniais. Mencionou, ainda, uma proposta para criação de “uma nova espécie de ação judicial” que permita declarar a perda de propriedade ou dos bens adquiridos por atividade ilícita. “É uma ação civil pública de extinção de domínio”, envolvendo “quaisquer bens que sejam adquiridos sem comprovação de procedência lícita”.

Mais em PolíticaX