1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Eleições 2014

Dilma evita Marina em debate e Aécio tenta ligar ex-ministra ao PT

RICARDO GALHARDO, ISADORA PERON, PEDRO VENCESLAU, VERA ROSA, JOÃO DOMINGOS, DÉBORA BERGAMASCO E ROLDÃO ARRUDA - O Estado de S. Paulo

27 Agosto 2014 | 01h 11

Em 1º debate de TV da disputa ao Planalto, candidata do PSB explora imagem de ‘terceira via’ fazendo elogios a FHC e Lula

Sob o impacto da pesquisa Ibope que mostrou Marina Silva (PSB) isolada na segunda colocação da corrida presidencial, o primeiro debate entre os candidatos à Presidência, realizado nesta terça-feira pela TV Band, foi marcado por confrontos estratégicos e calculados entre os principais adversários na disputa. Enquanto a presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, mirou na polarização com o nome do PSDB, o tucano Aécio Neves partiu preferencialmente para um embate direto com a sucessora de Eduardo Campos.

Marina reforçou a tática de tentar se colocar como a terceira via propositiva, apontando o que classifica como equívocos da briga entre PT e PSDB e insistindo em temas que lhe credenciem como a “nova política”.

Não por acaso, a ex-ministra do Meio Ambiente abriu o bloco de perguntas dos candidatos questionando a presidente - que lidera as intenções de voto - sobre o que deu errado com os pactos propostos por Dilma na esteira das manifestações de junho do ano passado. A petista insistiu que os cinco pactos que ela desencadeou após as manifestações tiveram bons resultados. “Nós acreditamos que tudo deu certo.” Marina retrucou que “o Brasil que a presidente Dilma acaba de mostrar com colorido quase cinematográfico não existe.”

Na sua vez de perguntar, a petista questionou Aécio se a expressão “medidas impopulares” utilizada por ele iria significar redução do valor dos salários e do índice de empregos. O tucano lembrou a carta que Dilma enviou ao ex-presidente FHC, no início do governo dela, elogiando medidas como o controle da inflação e a responsabilidade fiscal. Os dois também protagonizaram o confronto mais duro, no quarto bloco, quando Aécio perguntou a Dilma se não era hora de a petista pedir desculpas por “gestão temerária” na Petrobrás.

Dilma afirmou que a declaração do adversário era uma “leviandade” e citou problemas enfrentados pela empresa estatal durante o governo FHC. Foi o momento do debate em que a tradicional polarização entre PT e PSDB ficou mais “quente”.

Alvo. Mas o tucano não podia disfarçar a necessidade de criar um confronto direto com Marina, que na pesquisa Ibope lhe ultrapassou e abriu uma vantagem de 10 pontos porcentuais. Na primeira oportunidade que teve para perguntar, o candidato do PSDB questionou a coerência da ex-ministra em relação à nova política pelo fato de ela se negar a compartilhar a campanha com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), apoiado pelo PSB, e, ao mesmo tempo, fazer um aceno ao ex-governador e candidato ao Senado, José Serra (PSDB).

Marina disse que defender a nova política é combater a velha polarização. Aécio criticou o discurso da candidata do PSB afirmando que o importante é distinguir a boa da má política. Fez também questão de lembrar que o PT, na época que Marina era filiada, foi contra o Plano Real e o processo de estabilização.

No final do debate, tentou ligar a ex-ministra de Lula à presidente. Concluiu sua fala dizendo que “as propostas de Dilma e Marina são muito parecidas”. Sugeriu que um governo Marina poderá ser uma “aventura”. E “nomeou” o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, que ocupou o posto no governo FHC, seu ministro da Fazenda caso seja eleito em outubro.

Como já era esperado, para rebater as críticas sobre a falta de experiência administrativa, Marina citou os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso, classificados não como gerentes, mas pessoas com visão estratégica. Fez elogios aos ex-presidentes - à estabilidade da gestão FHC e aos investimentos sociais de Lula -, mas ressaltou que não é “complacente com os erros”.

Quando pôde, se disse a favor de um “estado laico” - adversários usam a religiosidade da ex-ministra para associá-la a um “obscurantismo evangélico”. Fez várias menções a Eduardo Campos, cuja morte em 13 de agosto após um acidente de avião abriu caminho para a sua candidatura ao Planalto.

Os outros candidatos usaram as perguntas sobretudo para valorizar algum ponto de vista mais marcante de sua campanha. Eduardo Jorge, do PV, quis saber de Aécio Neves qual era a posição dele sobre o aborto. Depois de ouvir o tucano afirmar que vai defender a legislação atual, Jorge defendeu a mudança da lei, lembrando que 800 mil mulheres praticam aborto anualmente no Brasil, em condições precárias, em clínicas clandestinas.

Eleições 2014