1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Eleições 2014

Da Marina quero distância, diz secretário-geral do PSB

DAIENE CARDOSO E JOÃO DOMINGOS - O Estado de S. Paulo

21 Agosto 2014 | 11h 01

Carlos Siqueira deixa coordenação da campanha presidencial após desentendimento com a ex-ministra, oficializada candidata nessa quarta: "Ela não é do PSB"

Atualizado às 12h20

Brasília - O secretário-geral do PSB e coordenador da campanha presidencial do partido, Carlos Siqueira, deixou nesta quinta-feira, 21, a função. O partido formalizou nesta quarta, 20, a indicação de Marina Silva para liderar a chapa e do vice Beto Albuquerque, líder da bancada na Câmara dos Deputados. "Da senhora Marina Silva eu quero distância. Eu não participo de campanha de Marina Silva. Ela não é do PSB", afirmou ao Broadcast Político nesta manhã.

A saída deu-se por um desentendimento entre Carlos Siqueira e a própria candidata. Numa reunião realizada entre Marina e as cúpulas do PSB e da Rede, nessa quarta, a ex-ministra comunicou seus planos: "Vou deslocar o Bazileu para o comitê financeiro e trazer o Walter Feldman para a coordenação da campanha. Se o PSB quiser, o Siqueira pode continuar". Bazileu e Feldman são dois nomes de absoluta confiança de Marina.

Felipe Rau/Estadão - 15.08.2014
Carlos Siqueira (à esq.) acompanhado de integrantes do PSB e Rede, em São Paulo

 

Siqueira retrucou: "Você está me afastando? Você não tem noção de que fui eu que segurei esse acordo entre o PSB e a Rede. As divergências são imensas e você pensa que elas não existem". E continuou: "Eu sei que você nunca gostou de mim". Desde a morte de Eduardo Campos, no dia 13, Marina vinha se queixando da coordenação da campanha, comandada por Siqueira, de acordo com informações da Rede. E desde esse tempo o coordenador, que também é primeiro-secretário do PSB, vinha se queixando de Marina.

Nessa quarta, havia sido anunciado que Siqueira permaneceria na função, mas que teria ao seu lado o deputado licenciado Walter Feldman (SP), também porta-voz de Marina. Bazileu Margarido, homem de confiança da ex-ministra, que era adjunto de Siqueira durante a campanha de Eduardo Campos, foi transferido para o comitê financeiro da campanha. Bazileu vai dividir a tarefa com Dalvino Franca.

No final desta manhã, Siqueira negou que sua decisão tenha sido motivada pela indicação de dois nomes ligados a Marina para o núcleo decisório da campanha. "Eu estava na campanha do Eduardo Campos. Começa agora uma nova fase e tem que ter um novo coordenador. Eu disse (à Marina) que não ficaria na coordenação. Eu estava na coordenação de uma pessoa que era do meu partido e em quem eu tinha confiança", afirmou.

Marina filiou-se ao PSB em outubro do ano passado, dias depois de o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negar o registro do seu partido, a Rede Sustentabilidade. Pessoas ligadas ao projeto continuam trabalhando para concluir a formalização da legenda.

De acordo com participantes da reunião, após a discussão Marina pediu desculpas: "Siqueira, você me entendeu mal. Me desculpe", disse ela. Mas o coordenador permaneceu irredutível. Disse que o PSB corria riscos até de desaparecer. E que ele não mais participaria da campanha. Em seguida, Siqueira foi para a sede do PSB, que fica distante cerca de 15 quilômetros da Fundação João Mangabeira, onde estava sendo realizada a reunião das cúpulas do PSB e da Rede. Houve um apelo para que ele permanecesse na campanha repetido por Marina. O mesmo foi feito pelo presidente do partido, Roberto Amaral.

Ao chegar ao PSB, Siqueira disse que lutaria para consolidar o nome de Beto Albuquerque na vice, por considerar que o nome dele seria uma espécie de salvaguarda do partido na campanha. Logo depois ele foi almoçar. Voltou cerca de quarenta minutos depois, participou de todas as reuniões do PSB e se propôs a explicar o que havia acontecido. Para tanto, exigiu a retirada de todos os que não fossem da Executiva nacional ou que não tivessem mandato. Nessa reunião expôs as divergências com Marina, disse que ela não pertence ao PSB e que pretende deixar o partido logo depois das eleições para fundar a Rede.

Anunciou também que não mais participaria da campanha. E assim fez. Ele se recusou a redigir a ata da reunião que escolheu Marina candidata a presidente. O documento teve de ser de ser feito pelo secretário sindical, Joilson Nascimento.

Siqueira, também presidente da Fundação João Mangabeira, ligada ao PSB, disse que continuará no partido, mas que se rende à decisão da maioria, que apoiou a candidatura de Marina, porque é disciplinado. Na manhã desta quinta, o presidente nacional do PSB, Roberto Amaral, está reunido com dirigentes de partidos que compõem a coligação. Amaral ainda não comentou a saída de Siqueira.

Nessa quarta, o PSL declarou que pretende deixar a coligação, por ter sido excluído das negociações com Marina e sua Rede Sustentabilidade.

Eleições 2014