Estefan Radovicz/Agência O Dia
Estefan Radovicz/Agência O Dia

Crivella em vídeo: "as mulheres deviam obedecer mais aos homens"

Por meio de nota, assessoria do candidato do PRB afirmou que imagens mostram o senador 'num púlpito durante pregação religiosa, quando narra episódio da Bíblia”

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

19 Outubro 2016 | 20h19

RIO - A despedida do senador Marcelo Crivella, candidato à prefeitura do Rio, no debate da Rede Tv!, na noite desta terça-feira, 18, provocou a reação de internautas.  Crivella atribuiu o sucesso do programa à beleza das apresentadoras. A jornalista Mariana Godoy reagiu com ironia, despedindo-se com um adeusinho, como as misses faziam em concursos de beleza. Foram criados memes da apresentadora, com a hashtag “tchau Crivella machista”.

 

O candidato reagiu às críticas, depois de um encontro com empresários da Associação Comercial do Rio de Janeiro. “Não sou machista. Sou pai de duas meninas, sou casado há 36 anos. Você acha que a minha esposa ia me aturar se eu fosse machista?”.

À tarde, o perfil Mídia Ninja publicou no Facebook vídeo antigo de Crivella em que ele diz, durante pregação em programa de tevê, que as mulheres deveriam ser mais obedientes aos homens.

“A mulher não é uma costela do homem?”, pergunta, sorrindo. “Embora digam que a mulher é mãe do homem, a Bíblia diz que a mulher é um pedaço do homem. As mulheres deviam até obedecer mais aos homens porque, afinal de contas, são um pedaço dos homens.” A postagem teve 120 mil visualizações em 4 horas e mais de 3 mil compartilhamentos.

A assessoria de Imprensa de Crivella afirma, em nota,  que o vídeo mostra o senador “num púlpito durante pregação religiosa, quando narra episódio da Bíblia”. “Sua exploração é uma tentativa de misturar religião com política para prejudicar o candidato. As leis de autoria de Crivella em dois mandatos como senador foram sempre de valorização da mulher e defesa de seus direitos.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.