CPI quebra sigilos da Delta desde a 'Era Lula'

Comissão Parlamentar de Inquérito do Congresso terá acesso às movimentações financeiras da construtura que detém maioria dos contratos do PAC

EUGÊNIA LOPES, FÁBIO FABRINI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2012 | 03h06

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira aprovou ontem a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico da empresa Delta Construções, desde 1.º de fevereiro de 2002. O período de mais de uma década abrange todo o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o governo Dilma Rousseff. As contas da Delta nacional serão abertas porque nem o PT nem o PMDB, que eram contrários à medida, tiveram votos suficientes para barrá-la.

Ao mesmo tempo, o PT, o PMDB e o PSDB fecharam um acordo ontem para adiar a votação da convocação dos governadores de Goiás, o tucano Marconi Perillo; do Distrito Federal, o petista Agnelo Queiróz; e do Rio de Janeiro, o peemedebista Sérgio Cabral. Por sugestão do relator Odair Cunha (PT-MG), a CPI deve votar hoje a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico do governador tucano.

A oposição vai tentar, na sessão administrativa desta manhã, aprovar também a quebra dos sigilos de Agnelo e Cabral. O relator já adiantou que é contra a proposta.

"Sou absolutamente contra. Há evidências de depósitos de gente criminosa na conta de Perillo", afirmou Cunha. Ele só pretende ouvir o depoimento do tucano depois que chegarem à CPI a quebra de seus sigilos. "Minha opinião é que não devemos ouvir nenhum governador agora. Nem o Marconi."

O PMDB e o PT articularam nos últimos dois dias para evitar a quebra dos sigilos da Delta nacional. Momentos antes da sessão de ontem,foi apresentado requerimento, capitaneado pelos deputados Luiz Pitiman (PMDB-DF), Leonardo Picciani (PMDB-RJ) e Filipe Pereira (PSC-RJ), solicitando a quebra de sigilo apenas das contas da Delta nacional que abasteciam a organização criminosa comandada por Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Peemedebistas e petistas da Câmara começaram a recolher assinaturas para que fosse dada prioridade na votação desse requerimento. Mas não conseguiram as 17 assinaturas necessárias. Um dos motivos é que o PT rachou: os deputados permaneciam favoráveis a blindar a Delta nacional, mas os senadores se recusaram. Situação semelhante ocorreu com o PMDB.

Os dois partidos resolveram, então, jogar a toalha e aprovar a quebra do sigilo da Delta nacional. Apenas o ex-líder do governo Cândido Vaccarezza (PT-SP) votou contra.

Revide. Os parlamentares ligados ao governo Sérgio Cabral ficaram irritados com a quebra do sigilo da matriz da Delta e ameaçam revidar na CPI, aprovando a convocação o ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Luiz Antonio Pagot.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.