1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Candidato de Aécio em Minas é alvo da PF

Alex Capella - Especial para O Estado de S. Paulo

09 Abril 2014 | 02h 01

Tucano Pimenta da Veiga é investigado por receber R$ 300 mil de agência de Marcos Valério em 2003; ele diz que prestou serviços advocatícios

BELO HORIZONTE - (corrigido* e atualizado em 17h27) O ex-ministro das Comunicações Pimenta da Veiga, pré-candidato do PSDB ao governo de Minas, prestou no fim de março depoimento na Polícia Federal, em Brasília, em um inquérito que apura o repasse de recursos da SMPB, de Marcos Valério Fernandes de Souza, no mensalão mineiro. O tucano admitiu ter recebido R$ 300 mil da agência de publicidade, mas disse que o valor se referia ao pagamento por serviços de advocacia. O tucano não apresentou comprovação dos serviços.

Segundo a PF, Pimenta cumpriu carta precatória expedida pela Superintendência da corporação em Minas, que instaurou uma investigação no ano passado. O inquérito é um desdobramento da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República em 2008 e apura outros repasses da SMPB.

Na acusação formal, o Ministério Público Federal apontou que a campanha à reeleição do então governador de Minas, Eduardo Azeredo (PSDB), em 1998, foi abastecida por um esquema de arrecadação ilegal de recursos que envolvia a agência de Valério. Pimenta da Veiga não foi denunciado.

Porém, citado no inquérito original da PF, ele passou à condição de investigado no novo procedimento instaurado em 2013. "Como você prova exames de contratos, documentos internos da empresa? É impossível. Anos depois querem saber de documentos", criticou o tucano, que se disse vítima de uma "manobra eleitoreira".

Pimenta alega que na época em que recebeu o dinheiro estava afastado da vida pública, exercendo a advocacia. O tucano afirma também que declarou os recursos no Imposto de Renda. Após concluir o inquérito, a PF vai encaminhar o relatório para a Procuradoria da República em Minas, que analisará se há provas suficientes para denunciar o pré-candidato do PSDB por lavagem de dinheiro.

Pimenta classificou como "estranho" o fato de ter prestado novo depoimento à PF. "Onze anos depois pediram novos esclarecimentos. É uma manobra eleitoreira. Salta aos olhos", afirmou o ex-ministro de Fernando Henrique Cardoso.

A PF rastreou depósitos feitos pela agência de Marcos Valério à conta de Pimenta.

Empréstimo. Durante a comissão parlamentar mista de inquérito dos Correios, em 2005, foi encontrado um contrato de empréstimo de R$ 152 mil contraído pelo ex-ministro no Banco BMG de Belo Horizonte no qual figuravam como avalistas Marcos Valério e sua ex-esposa Renilda Santiago.

Em fevereiro, Eduardo Azeredo (PSDB) renunciou ao mandato de deputado federal. Com a perda do foro privilegiado, o Supremo decidiu transferir para a 1.ª Instância, em Minas Gerais, a ação penal contra o ex-governador, acusado dos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu pena de 22 anos de prisão para o ex-deputado. Azeredo alega inocência e diz que é "bode expiatório" de uma "ação que tem contaminação política".

Foi Pimenta da Veiga quem proporcionou que Azeredo disputasse sua primeira eleição, como candidato a vice-prefeito de Belo Horizonte na chapa vitoriosa em 1988. Um ano e meio depois, ele assumiu a prefeitura da capital mineira após Pimenta renunciar para disputar o governo do Estado. O tucano perdeu a eleição daquele ano - 1990.

Abaixo, trechos da entrevista com Pimenta da Veiga:

1. O que o senhor achou dessa nova convocação da Polícia Federal?

É uma ação orquestrada, simplesmente eleitoreira. Onze anos depois me chamam para falar de um assunto que já tinha sido esclarecido. É no mínimo estranho.

2.Orquestrada por quem?

Não sei quem encabeça isso.

3.E como foi o tratamento dado pela Polícia Federal?

Me fizeram lá duas ou três perguntas e só.

4. Queriam saber se o senhor recebeu dinheiro da SMPB?

Mantive o depoimento que havia feito há 11 anos atrás. Voltei a dizer que foram pagamentos feitos via depósitos bancários. Prestei serviços de advocacia à agência. Aliás, uma das agências mais renomadas do País.

5. Mas o relatório da Polícia Federal aponta que o sr. não apresentou provas sobre a prestação dos serviços?

Como você prova exames de contratos, documentos internos da empresa? É impossível. Anos depois querem saber de documentos. Isso deveria ter sido apurado pela Polícia Federal na empresa. Afinal, fizeram uma devassa nas contas da agência.

6. O que o senhor pretende fazer caso seja denunciado pelo Ministério Público Federal?

Não tenho como falar disso agora. Vou aguardar os trâmites legais.

 

CORREÇÃO - Diferentemente do que informou a reportagem "Candidato de Aécio em Minas é alvo da PF", publicada nesta quarta-feira, dia 9, na página A8 do jornal e no Portal do Estadão, Pimenta da Veiga recebeu R$ 300 mil da agência de publicidade de Marcos Valério em 2003, e não em 1998. A informação já foi corrigida no site.