1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Desafios Política Externa

Brics, uma aliança que ainda pode render

LISANDRA PARAGUASSU - O Estado de S. Paulo

31 Agosto 2014 | 22h 00

Países tornaram-se peça central da política externa brasileira, mas popularidade não esconde problemas

A sigla Brics, criada em 2008 pelo economista Jim O'Neill para designar Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, transformou-se, nos últimos cinco anos, em uma peça central da política externa brasileira. A relação com o grupo cresceu bastante e, de uma coordenação econômica, passou a incluir também as questões políticas. A popularidade da sigla, porém, não esconde seus problemas.

O mais recente deles, há cinco meses, foi quando a Rússia anexou a região ucraniana da Crimeia: a ordem no Planalto foi manter o silêncio, posição que foi criticada na Europa e nos EUA. Meses depois, com as sanções contra a Rússia, veio o retorno: o Brasil foi promovido a um dos principais fornecedores de carne e outros alimentos para a Rússia.

Mesmo sem o impacto da decisão russa, o comércio entre eles já estava crescendo. As exportações do Brasil chegaram a US$ 2 bilhões até julho - um superávit de US$ 381,67 milhões. A expectativa é que as vendas possam voltar, este ano, aos US$ 4 bilhões de 2011 - em 2013 chegaram a US$ 2,9 bilhões.

O comércio, na verdade, cresceu com todos os quatro países - mas nem sempre a favor do Brasil. De 2009 para 2013, o superávit brasileiro foi de US$ 826 milhões para US$ 1,26 bilhão. No entanto, o déficit com a Índia cresceu de US$ US$ 1,22 bi para US$ 3,23 bi. 

Desde 2009, os Brics aproximam o Brasil dos outros quatro integrantes do grupo. Desde 2011 a presidente Dilma Rousseff visitou todos eles - a África do Sul por três vezes. O presidente russo Vladimir Putin chegou a afirmar que os Brics seriam um contraponto ao poder dos EUA e da Europa. 

A visão não é partilhada pelos demais sócios, incluindo o Brasil, que têm mais proximidade com os EUA. Mas o bloco hoje é, de fato, um instrumento de coordenação política e autoproteção. Seu primeiro resultado prático surgiu na Cúpula de Fortaleza, que aprovou a criação do banco de desenvolvimento e do Arranjo Contingente de Reservas, instituições-espelho do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional, onde nenhum dos Brics tem voz ativa.

Desafios Política Externa

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo