1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Eleições 2014

Araçatuba lança comitê ‘Marinaldo’

Chico Siqueira - ESPECIAL PARA O ESTADO

28 Agosto 2014 | 22h 37

ARAÇATUBA - Os comitês “Edualdos” deram lugar aos comitês “Marinaldos” no interior de São Paulo, com a afixação de cartazes com as fotos de Marina Silva e Beto Albuquerque, candidatos a presidente e vice pelo PSB, mas sem retirar os banners com as fotos de Geraldo Alckmin e Márcio França, que formam a chapa de PSDB e PSB ao governo de São Paulo, ao lado de Eduardo Campos, morto em acidente aéreo no dia 13.

“Agora não é mais comitê Edualdo; é comitê Marinaldo”, disse o coordenador do espaço político em Araçatuba, José Cláudio Ferreira, enquanto afixava o cartaz de Marina e Albuquerque, de 2 metros de largura por 1,5 de altura, ao lado de outro, ainda maior, com Alckmin, Campos e França. 

O comitê de Araçatuba foi inaugurado em 27 de julho por Campos. No discurso, o então candidato disse que a intenção era abrir 40 comitês Edualdos em São Paulo. Na ocasião, Marina pediu que sua imagem não fosse usada ao lado da foto de Alckmin. Mas, agora, os líderes do partido dizem que a situação é outra. Como Marina é candidata no lugar de Campos, defendem que não há como rejeitar a imagem de Alckmin. “A decisão do partido é que Marina deve manter os acordos feitos por Eduardo”, disse José Avelino Pereira, presidente do diretório de Araçatuba.

‘Obrigação espiritual’. “Marina tem obrigação política, moral e até espiritual de manter os compromissos assumidos por Eduardo”, afirmou Abelardo Camarinha, presidente do diretório do PSB de Marília. 

Em Bauru, a intenção dos coordenadores do PSB é não retirar a propaganda em que Alckmin aparece com França e Campos. “Vamos dar um jeito para que a figura de Marina fique bem harmonizada com as imagens de Alckmin”, disse Flávio Guedes, um dos responsáveis pelo comitê ‘Edualdo’ local.

A coordenação nacional da campanha do PSB diz que não autorizou o uso da imagem de Marina nos comitês e que o acerto é que a candidata não vai apoiar as alianças das quais discordou antes da morte de Campos.

Eleições 2014