Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Análise: Candidatos apenas reforçam suas táticas em debate

Eleições

Análise: Candidatos apenas reforçam suas táticas em debate

Em primeiro encontro na TV, postulantes ao governo de São Paulo se unem em ataques à gestão do PSDB

0

Julia Duailibi,
O Estado de S. Paulo

24 Agosto 2014 | 00h34

Os candidatos a governador de São Paulo, neste sábado, 23, na Band, se uniram nos ataques à gestão do PSDB, mas no geral pouparam a figura do governador tucano Geraldo Alckmin, que não estava presente em razão de uma infecção intestinal aguda e que tem a aprovação de 47% do eleitorado.

Há 20 anos no Palácio dos Bandeirantes, a administração do PSDB foi esculhambada em quase todos setores.

Sem Alckmin no estúdio, a defesa do governo ficou por conta da propaganda eleitoral do tucano, que aparecia nos intervalos do debate.

O candidato do PMDB, Paulo Skaf, foi o que mais personalizou as críticas. Em segundo lugar nas pesquisas, ele busca a polarização com Alckmin e sugeriu que o governador era "lento" e "ineficiente".

O peemedebista chegou a levantar o pulso direito ao falar sobre a necessidade de comando da polícia.

De olho no eleitorado mais conservador e órfão do malufismo - e que hoje está alinhado ao PSDB -, Skaf centrou as criticas na área da segurança.

Os adversários também evitaram polemizar entre si. Era esperado um embate entre Skaf e o petista Alexandre Padilha, na corrida por uma vaga no segundo turno. Mas os dois, cujos partidos são alinhados na disputa nacional com a dobradinha Dilma Rousseff e Michel Temer (PMDB), evitaram o enfrentamento. Padilha, inclusive, pegou leve com Alckmin, tentando atrair o eleitor que aprova o tucano, além, é claro, de reforçar suas bandeiras, como o Mais Médicos.

Quem ocupou o papel de franco atirador foi o vereador Laércio Benko (PHS). Num dos melhores momentos do debate, tentou arrancar de Skaf quem seria o seu candidato a presidente com o intuito de expor contradição entre o fato dele ser do partido de Temer, mas dizer que é oposição ao PT em São Paulo.

Mesmo sem chuchu, o debate foi insosso.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.