Estadão
Estadão

Amazonas decide neste domingo quem será o ‘governador-tampão’

A disputa entre Amazonino Mendes (PDT) e Eduardo Braga (PMDB) definirá quem comandará o estado pelo próximos 14 meses

O Estado de S. Paulo, O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2017 | 06h39

Os eleitores do Amazonas decidem neste domingo, 27, quem será o novo governador do Estado. Os amazonenses terão que decidir qual o novo titular do Palácio Rio Negro, vaga aberta desde a confirmação da cassação do então governador José Melo (PROS) e seu vice Henrique Oliveira (SD), em maio. Na disputa, estão os ex-governadores Amazonino Mendes (PDT) e Eduardo Braga (PMDB). Quem vencer exercerá um mandato-tampão de 14 meses.

No primeiro turno ocorrido no dia 6 de agosto, entre os oito candidatos disputaram a vaga, Amazonino foi o mais votado com 38,77% dos votos válidos. Braga, com 25,36%, ficou em segundo.

As eleições suplementares no estado não despertaram a atenção da classe política nacional. Apenas a ex-senadora Marina Silva (Rede-AC) e a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), participaram da campanha na região. Nenhum dos candidatos apoiados por elas, Luiz Castro e José Ricardo, respectivamente, conseguiram chegar ao segundo turno.

Na população local, a adesão também foi baixa. Abstenções somadas a votos brancos e nulos superaram, com folga, a votação do primeiro colocado. No total, 849.528 eleitores deixaram de escolher um dos candidatos no primeiro turno, enquanto o candidato mais votado, Amazonino Mendes, obteve 577.397 votos.

No primeiro turno da eleição para o governo em 2014, brancos e nulos representaram pouco menos de 9%. Desta vez, chegaram a quase 16%.

Desde o início da corrida eleitoral, a disputa se concentrou entre Amazonino Mendes e Eduardo Braga. Ambos já governaram o Estado e  foram aliados políticos no passado. Em 1992, conquistaram juntos a prefeitura de Manaus. Amazonino como prefeito e Eduardo Braga como vice.

Eles também já se enfrentaram pela cadeira de chefe do Executivo amazonense em 2006. Na ocasião, o vencedor foi Braga. Na quinta-feira passada, estava marcado o último debate eleitoral, realizado pela filiada local da TV GLOBO. Contudo, Amazonino Mendes não compareceu. Com a ausência, Eduardo Braga foi entrevistado.  

Diplomação. Oito candidatos concorram ao governo do Amazonas pela eleição suplementar determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), após cassação de José Melo e Henrique Oliveira. Além de Amazonino Mendes (PDT), que obteve 38,77%. Eduardo Braga (PMDB) ficou em segundo com 25,36%, Rebecca Garcia (PP) teve 18,06%; José Ricardo (PT), 12,17%; Luiz Castro (REDE), 2,63%; Wilker Barreto (PHS), 1,52%. Votos brancos e nulos somaram 15,82%.

O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) marcou a diplomação para o dia 2 de outubro. O pleito foi determinado após a cassação dos mandatos do ex-governador, José Melo, e do vice, Henrique Oliveira, por compra de votos nas eleições de 2014. De acordo com o TRE, a solenidade de diplomação ocorrerá no auditório Des. Arthur Virgílio do Carmo Ribeiro, no prédio anexo do Tribunal de Justiça do Amazonas. Atualmente, exerce o cargo de governador do Amazonas o presidente da Assembleia Legislativa, Davi Almeida (PSD).

Cassação. Em maio, o TSE decidiu manter a cassação do então governador do Amazonas, José Melo, e do vice, Henrique Oliveira, acusados de compra de votos nas eleições de 2014. A ação foi proposta pela coligação adversária, "Renovação e Experiência", que teve como candidato Eduardo Braga (PMDB), derrotado no segundo turno.

Quem são os candidatos:

Amazonino Mendes, 77 anos, é natural de Eirunepé, município localizado na divisa com o Acre. Em 1983, Mendes chegou à Prefeitura de Manaus pela primeira vez. Em 1987, foi eleito pela primeira vez governador do Amazonas. Em 1990, ele chegou ao Senado. Três anos após ser eleito senador, o político retornou à prefeitura de Manaus. Desta vez, o mandato dele durou dois anos. Isso porque, em 1994, ele deixou o cargo para assumir, pela segunda vez, a função de governador do Amazonas, onde acabou reeleito em 1998. Ele ficou no cargo até o ano de 2002. Em 2004, tentou voltar ao comando da prefeitura de Manaus, mas foi derrotado por Serafim Corrêa. Em 2006, disputou o governo do estado com Eduardo Braga e amargou outra derrota. Em 2008, Amazonino voltou a se candidatar a prefeitura, sendo eleito no 2º turno.

Eduardo Braga, 54 anos, é natural de Belém (PA). Em 1986, foi eleito deputado estadual pelo Amazonas, sendo escolhido líder do governo e relator da Constituição do Amazonas. Em 1991, foi eleito para deputado federal. Foi vice-prefeito de Manaus em 1992, na chapa que tinha como cabeça seu atual adversário Amazonino Mendes. Dois anos depois, assumiu a prefeitura. Em 1998 e 2000, perdeu as eleições para o governo do Amazonas e prefeitura de Manaus, respectivamente. Seu primeiro mandato como governador do estado foi em 2002, quando foi eleito em primeiro turno. Ele ficou no cargo por dois mandatos. Em 2010, foi eleito senador.  Em 2014, perdeu para José Melo a eleição para governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.