Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Alckmin diz que planeja acabar com déficit público da União em dois anos

Tucano propõe também dobrar a renda per capita do brasileiro, mas alertou que isso 'não se faz em um mandato'

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

09 Maio 2018 | 18h33

BRASÍLIA - Pré-candidato a presidente da República, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) disse nesta quarta-feira, 9, que planeja acabar com o déficit público do governo federal em dois anos. Uma das principais propostas da pré-campanha do tucano é dobrar a renda per capita brasileira - o que, segundo, ele “não se faz em um mandato”.

+ Procurador-geral da Justiça de São Paulo quer ‘avaliar’ inquérito sobre Alckmin

“Dobrar a renda, óbvio que não será num mandato. Zerar o déficit, imagine, não pode gastar nem meio mandato. Tem que ser muito mais rápido”, disse Alckmin. “Nós vamos estabelecer em quantos anos a gente dobra a renda do brasileiro.”

O pré-candidato afirmou que esse objetivo servirá de base para estabelecer metas como o grau de melhora da nota do País no PISA (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes), o nível de abertura da economia ano a ano e também o tempo para reduzir o déficit primário. Alckmin disse que sua equipe trabalha de forma métrica para estabelecer as metas.

“Vamos chegar no ano que vem ao sexto ano em déficit primário. Isso é insustentável”, avaliou. Os eixos do programa econômico do PSDB são destravar a economia e desburocratizar. “Queremos ter um crescimento forte do PIB e sustentável”, afirmou Alckmin.

+ Geraldo Alckmin age para conciliar interesses de MDB e DEM

O economista Pérsio Arida, formulador econômico de Alckmin, fez uma apresentação a tucanos, mas não quis responder a perguntas de jornalistas. Na reunião fechada, ele falou que a reforma da Previdência é imprescindível e deu a previsão de que seria possível eliminar o déficit público em dois anos, se todas as condições forem favoráveis.

Alckmin apresentou também parte de sua equipe de campanha em reunião com a Executiva Nacional do PSDB, bancadas na Câmara e no Senado e integrantes de diretórios estaduais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.