1. Usuário
Assine o Estadão
assine

A arte de armar

Dora Kramer

Com toda a deterioração das condições objetivas para que o governo dê como favas contadas a reeleição da presidente Dilma Rousseff, convém que os candidatos de oposição não se animem em excesso nem desconsiderem a hipótese de que a Presidência seja do PT mais uma vez, a partir de 2015.

O que se tem como impossibilidade é apenas a vitória no primeiro turno, coisa que o bom senso, o histórico e os dados de realidade jamais autorizaram como cenário real. Se nas últimas três semanas o quadro mudou em desfavor do governo, nos próximos quatro meses nada impede que se inverta da trajetória.

Competência e instrumentos para construir a viravolta os ocupantes do poder já demonstraram que têm. E ultimamente vêm dando sinais de que encontraram um caminho em busca da salvação.

Desde que começou a ganhar eleições, o PT faz o mesmo: escolhe uma ideia-força que seja simples de entender, soe prazerosa aos ouvidos da população e martela aquilo de modo a que represente a salvação e o adversário seja o retrato da danação.

Em 2002, "a esperança venceu o medo". Esperança de quê? "De que um mundo diferente é possível". Em 2006, a oposição venderia a preço de banana todo o patrimônio do País, Petrobrás à frente. Em 2010, "a primeira mulher a governar o Brasil" levaria o País ao prometido futuro devido aos atributos de gestora excepcional.

Vencidas as validades desses slogans, hoje se prepara um novo roteiro, já posto em execução, com base na ideia-força da luta do bem contra o mal. Não se pode desprezar a eficácia dessa dicotomia.

Por ela, a presidente Dilma seria a representação de um horizonte confortável, com a continuidade das benesses dos últimos anos, sem crises nem remédios amargos. A oposição, por sua vez, que só fala em crise, na necessidade de se tomar medidas impopulares, representaria uma ameaça ao conforto proporcionado pelos governos do PT.

Aos ouvidos de plateias que dispõem de informações sobre o que vem por aí, o discurso até soa artificial. Mas, para a maioria não é assim. Para esse eleitorado, vale mais uma doce promessa na mão que a perspectiva de amargura voando.

É nessa arena que a oposição será desafiada. E por ora não parece preparada para responder.

Sem retoque. Ao dizer em entrevista à Folha de S. Paulo que a candidatura do senador Aécio Neves "tem cheiro de derrota no segundo turno", a candidata a vice-presidente da chapa do PSB, Marina Silva, foi apenas Marina Silva cumprindo o papel que lhe cabe na parceria estabelecida em moldes muito claros em termos de personalidade política e representatividade social.

Adversária dos tucanos, com a vida pública construída no PT até a saída do governo Lula e ocupando um espaço que vai muito além do papel de mera coadjuvante, natural que Marina marque seu território junto ao eleitorado.

Foi com a ideia de agregar essas forças que em 2010 já não quiseram se aliar ao PT nem ao PSDB que o ex-governador Eduardo Campos recebeu com entusiasmo a filiação de Marina, quando a Rede de Sustentabilidade não obteve registro na Justiça Eleitoral.

No momento em que o candidato do PSDB sobe nas pesquisas, o movimento do terceiro colocado é se diferenciar para disputar. Se não o fizer, transforma-se numa sombra daquele que pode até não ser o inimigo principal (não é quem se tenta afastar do poder), mas não deixa de ser um oponente.

A reclamação tucana de que Marina está "levando água para o moinho do PT" só faz sentido pelo desejo de que os colegas de oposição participem da campanha na condição de linha auxiliar. Na disputa para valer, ao dizer que Campos é o único em condições de derrotar o governo, Marina leva água para onde deve levar: ao moinho do PSB. Para onde mais?

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo