1. Usuário
Assine o Estadão
assine
domingo 05/05/13 13:14

Áreas de migração têm metade da renda do resto de São Paulo

Captura de Tela 2013-05-05 às 13.15.14

Rodrigo Burgarelli José Roberto de Toledo Um século depois de receber uma leva de imigrantes maior do que era a sua população nativa de então, a capital paulista abriga apenas 28% de moradores que não nasceram no Estado de São Paulo. Mas a distribuição dessas pessoas que escolheram viver na cidade está longe de ser

Ler post
sábado 22/09/12 00:41

Quem são os “diferenciados” da Pnad 2011 do IBGE

Captura de Tela 2012-09-22 às 00.39.37

Viver no Piauí é, essencialmente, morar numa casa. Lá, nada é mais “diferenciado” do que manter residência em edifício: menos de 1% dos piauienses mora em apartamento. Os outros 99% habitam domicílios que, na definição do IBGE, ocupam com exclusividade o terreno onde estão situados, ou têm acesso independente para a rua. Nada de portarias

Ler post
quarta-feira 21/12/11 10:00

50 tuítes sobre a vida nas favelas brasileiras

Grandes números * O IBGE identificou 6.329 aglomerados subnormais, onde estão 5,6% dos domicílios e onde vive 6% da população brasileira. * Aglomerado subnormal: + de 50 habitações, carentes de serviços essenciais, ocupando desordenada e densamente terreno de propriedade alheia. * 323 municípios brasileiros têm favelas, grotas, palafitas, invasões, mocambos, ou o nome local que

Ler post
segunda-feira 28/11/11 04:41

Capitais do Censo

Ao radiografar o Brasil, o Censo 2010 expõe o que distingue uma localidade da outra. No amontoado de tabelas e mapas escondem-se milhares de histórias humanas inusitadas. Muitas se passam em cidades longe ou pequenas demais para serem notadas; outras, bem debaixo de nossos narizes metropolitanos. A seguir, o primeiro parágrafo de uma dúzia delas.

Ler post
segunda-feira 25/07/11 12:01

Dilma e a inflação

No encontro com colunistas de jornais na sexta-feira, a presidente Dilma Rousseff deixou subentendido que pretende controlar a inflação “pero no mucho”. A alta de preços não pode ultrapassar 6% ao ano, mas, para não comprometer o crescimento da economia, o governo não fará força para trazê-la para o centro da meta, de 4,5%. É

Ler post