1. Usuário
Assine o Estadão
assine
quarta-feira 01/04/15 19:27

Maioria perdeu esperança de o governo melhorar

Ao alinharmos as pesquisas Ibope e Datafolha sobre avaliação do governo Dilma Rousseff, vemos que repetiu-se em 2015 o fenômeno de acumulação de tensões e explosão abrupta da insatisfação – como ocorrera em 2013. A diferença é que, desta vez, a avalanche foi mais ampla e profunda. Atingiu camadas que antes resistiram à onda de

Ler post
sábado 14/03/15 19:53

O ponto de não retorno

Mais de uma pesquisa telefônica sobre o governo Dilma Rousseff encontrou, nas últimas semanas, taxas de “ótimo/bom” inferiores a 10% e, mais grave, maioria de avaliações “ruim/péssimo”. Em todas, o saldo de popularidade da presidente supera os 40 pontos negativos entre quem tem telefone fixo em casa. Quanto mais recente a pesquisa, maior o déficit.

Ler post
segunda-feira 02/03/15 19:59

Um bombeiro para Dilma

Quando o preço sobe nas bombas e gôndolas, aumenta o risco de ele subir também no Congresso. É literalmente uma matemática de padaria: um governo impopular está condenado a pagar mais caro para conseguir o que quer e – principalmente – evitar o que não quer que deputados e senadores façam. Foi assim com José

Ler post
sábado 25/10/14 20:15

Abstenção volta a importar para definição do resultado

Dilma Rousseff (PT) é favorita para ganhar neste domingo. É o que mostram o Ibope e – ainda que na margem de erro – o Datafolha. Mas é possível garantir que a presidente vai se reeleger? Não. O movimento pró-Dilma parou dois dias antes da eleição – numa campanha marcada pela volatilidade do eleitorado. Voltou

Ler post
quinta-feira 23/10/14 21:28

Sem-partido batem recorde após campanha virulenta de 2014

Preferência por partidos políticos (Ibope + Datafolha)

A campanha eleitoral de 2014 chega ao fim com a maior taxa já registrada de brasileiros sem preferência por nenhum partido político. São hoje 73% do eleitorado, a maior proporção desde 1988, quando começa a série histórica do Ibope. Em agosto de 2013, logo após os protestos, 62% não tinham preferência partidária. Desde então, os

Ler post
quarta-feira 22/10/14 04:27

Datafolha: Dilma conta com a inércia; Aécio, com o imponderável

Dilma Rousseff (PT) oscilou mais um ponto e segue em alta. Segundo o Datafolha divulgado nesta madrugada de quarta, ela foi de 43% na semana passada, para 46% na segunda-feira e chegou agora a 47% dos votos totais. Aécio Neves (PSDB) ficou nos mesmos 43%, para onde caiu dos 46% alcançados no começo do segundo

Ler post
segunda-feira 20/10/14 20:26

Crescimento ajuda Dilma mas abstenção pode atrapalhá-la

Na reta final da eleição os movimentos do eleitorado tendem a ser mais importantes do que os números. E o crescimento de Dilma Rousseff (PT) identificado pelo Datafolha é semelhante ao captado por outras pesquisas. Embora consistente, o movimento é lento – nada a ver com a rápida queda de Marina Silva (PSB) que acabou

Ler post
quarta-feira 15/10/14 19:04

Datafolha projeta decisão apertada e no último momento

A estabilidade das intenções de voto em Aécio Neves (PSB) e Dilma Rousseff (PT) confirma a maior divisão do eleitorado na história das eleições presidenciais no Brasil. Mostra ainda que o apoio formal de Marina Silva (PSB) ao tucano foi irrelevante e que a eleição só deverá ser decidida no próprio dia 26. Como já

Ler post
segunda-feira 29/09/14 20:28

Dilma, Bolsa e o aparelho excretor

A Bovespa derreteu nesta segunda-feira por dois motivos: 1) a expectativa da “bala de prata” contra Dilma Rousseff (PT) que fez o mercado subir na sexta mostrou-se um traque; 2) a desvalorização da esperança de agentes do mercado na candidatura de Marina Silva (PSB), após o Datafolha de sexta-feira mostrá-la quatro pontos atrás da petista

Ler post
sexta-feira 19/09/14 05:18

Marina tem leve favoritismo mas perde o embalo

Potencial de voto - Ibope

Na média Estadão Dados das pesquisas, Dilma Rousseff (PT) mantém-se estável com 36%, Marina Silva (PSB) tem 30%, e Aécio Neves (PSDB) tem 17%. Esses valores já incluem a pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira (37%, 30%, 17%). Embora haja trocas de eleitores entre Dilma e Marina, e entre Marina e Aécio, os movimentos não têm

Ler post